As mudanças mais relevantes no ensino da Engenharia

Assim como muitas coisas da vida, a Engenharia também se desenvolveu. O curso vem apresentando mudanças significativas, num período de, aproximadamente, duas décadas. Ao comparar um recém-formado com um engenheiro que concluiu o curso há 20 anos é possível imaginar que não se trata da mesma faculdade. Logicamente, as matérias do ensino básico continuam da mesma forma, mas algumas situações e prioridades modificaram bastante ao longo do tempo, tanto por parte dos alunos quanto dos professores.

Nas instituições de ensino superior, dificilmente, encontra-se profissionais que não tenham, em sua formação, um título de doutor. Antigamente, os professores tinham experiência no mercado de trabalho, ou como consultores ou como empresários. De certa forma, isso era muito vantajoso aos estudantes, já que o conhecimento transmitido era o que o mercado exigia, focando em funcionalidade e lucro. Atualmente, os docentes não têm experiência industrial ou empresarial, em sua maioria. Fruto do mestrado e doutorado, que proporcionam aos alunos, um embasamento teórico excelente. Porém, quando se trata da abordagem de novas tendências, a falta de experiência no mercado de trabalho prejudica.

Um fato muito curioso que ocorre nas salas de aula é que um professor que tem experiência de campo atrai muito mais a atenção dos alunos do que o docente que não a possui. Isso se explica pelo fato de que, muitas vezes, o aluno não consegue visualizar o que o professor está explicando na prática, e na medida em que o docente já vivenciou aquilo em campo consegue-se exemplificar claramente a situação, diferentemente daquele que só estudou.

A internet é um recurso que tomou conta do ensino de Engenharia. Hoje em dia, os alunos não dependem apenas dos professores ou livros para aprenderem. É possível utilizar a rede para adquirir conhecimentos em softwares, por exemplo, se capacitando por conta própria.

Outra mudança significativa é o fato dos alunos precisarem ser plurais e multidisciplinares. Isso quer dizer que não basta ser um aluno que se destaca em matérias de exatas. Hoje em dia, é necessário muito mais, como conhecimentos em língua estrangeira. O mercado exige!

A concorrência é outro fator que se diferencia dos tempos passados. Houve uma segmentação das engenharias, especializando ainda mais o conhecimento de cada profissional. Além disso, muitas instituições passaram a oferecer o curso de engenharia, gerando um mercado de trabalho saturado, onde apenas os alunos que realmente se preparam são aproveitados. Esse fato desmotiva o recém-formado, que migra para outras áreas de atuação.

Blog da Engenharia

Anúncios
Postado em Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s