Devemos nos preocupar com a segurança das obras de arte? (Parte I)

 

ddd

Viaduto Depraiado, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Quando se fala em OBRAS DE ARTE é comum pensarmos na pintura “Mona Lisa” de Leonardo Da Vinci, na escultura “Davi” de Michelangelo Buonarroti ou na arquitetura da “Catedral Metropolitana de Brasília” de Oscar Niemeyer. Mas você sabia que na Engenharia Civil também existem Obras de Arte?

 

O quê são as obras de arte?

As Obras de Arte Especiais (OAEs) são, principalmente, as pontes, os viadutos e os túneis. Relacionados a elas estão os perigos originados e a alta responsabilidade requerida, nos incubindo de zelar pela segurança na concepção, na construção e na utilização desse tipo de obra. Este artigo tem como objetivo identificar os perigos e os riscos associados, além de informar generalidades das normas de segurança que devem ser cumpridas em qualquer tipo de grande obra.

Estudantes do Curso de Engenharia Civil da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), orientados pelo Professor Engenheiro Miguel Fernandes, realizaram um relatório de projeto da FEUP sobre as “Obras de Arte da Engenharia Civil”. Nesse trabalho os autores levantaram alguns dos perigos que podemos encontrar nas construções desses empreendimentos: “quedas, soterramento de terras, cortes, entorses e outras lesões devidas ao manuseamento de ferramentas, atropelamento na via pública e/ou fora dela (equipamentos móveis), pó, projeção de materiais, choques elétricos, dermatoses, entre outros.”

Tendo isso em vista, esses tipos de infraestruturas requerem, além de especificações convencionais, análises mais específicas como o tipo de solo e a situação climática do local da obra, além de os materiais utilizados, o estado dos operários, os aspectos legislativos e, principalmente, as competências exigidas pelo responsável técnico do serviço.

E pensando nesta linha de responsabilidade técnica, surgiu a motivação de escrever o presente post, pois a temática nos leva a pensar, também, nas atitudes preventivas que se tornam essenciais no trabalho e se mostram eficazes  ao aplicarmos, difundirmos e divulgarmos amplamente tais ações por todos os intervenientes. A análise de todos os acontecimentos dentro de uma obra se torna infinitamente valiosa a partir daí, devido a possibilidade de, até nas pequenas falhas, surgir problemas de alta complexidade. Muito se fala que o Engenheiro é o profissional responsável por resolver problemas, mas evitar que tais problemas surjam se torna ainda mais considerável, levando em conta que haverá uma economia de recursos, de tempo e de intelecto.

E o quê fazer?

Nos últimos anos, notou-se um grande acréscimo da conscientização da segurança na construção e também nas Grandes Obras. Isto se deve, em grande parte, aos graves acidentes que ocorrem quando um estudo prévio não é devidamente elaborado ou é mal executado. Dentre tais tragédias podemos citar as quedas do viaduto em Belo Horizonte durante a Copa do Mundo no Brasil em 2014 e da Ponte de Jaguari em 2015. A garantia da segurança nesse tipo de estrutura tem de ser dada por conhecedores em avaliação de segurança estrutural, ou seja, um profissional talhado para o cargo: um Engenheiro Civil especialista em grandes estruturas.

Portanto pode-se listar algumas medidas preventivas para a garantia da segurança em “Obras de Arte” e, também, em obras em geral:

“- Identificar e avaliar os possíveis perigos e riscos que poderão ocorrer durante a realização da obra e também que poderão comprometer a execução da obra ou mesmo a vida dos trabalhadores;

Combater os riscos na origem e não deixar que estes se desenvolvam porque em princípio será mais fácil resolvê-lo e a menor custo evitando que este se exponencie em custos e efeitos, o que é muito importante para a realização de qualquer obra;

Dar prioridade às medidas de prevenção coletiva em relação às medidas de proteção individual;

Implementar planos de execução de tarefas;

Formar e informar aos trabalhadores;

Planificar a prevenção com um sistema coerente que integre a técnica, a organização do trabalho, as condições de trabalho, as relações sociais e a influência dos factores ambientais no trabalho;

Garantir as condições de conformidade e segurança dos equipamentos e meios utilizados;

Definir zonas de ação restrita, operação de máquinas;

Organização dos espaços e dos resíduos.”

Conclui-se que na implantação de uma obra é preciso que a sua planificação seja completa, sem falhas e sem riscos desnecessários. Com tudo isto, pode-se dizer que os cuidados devem ser destacados se quisermos que o acontecimento de desastres diminuam em nosso meio de trabalho.

FICOU CURIOSO PARA SABER MAIS SOBRE ESSAS FASCINANTES OBRAS?

Pensando na logística do blog e no conforto do usuário, pensou-se em dividir o presente post em duas partes. Em breve, postaremos como é o caso específico de cada uma das “Obras de Arte”: PONTES, VIADUTOS e TÚNEIS.

“A trabalhabilidade do concreto aliada à inteligência e à criatividade de nossos artistas fazem surgir espetáculos dentro da Engenharia.” (Autor desconhecido)

Fonte: FEUP – Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s