A Ganância Mata!

Memorial em homenagem às vítimas da tragédia no Ninho do Urubu Foto: CARL DE SOUZA / AFP

No mundo atual muitas vezes confundimos ambição com ganância, ou nem mesmo sabemos diferenciá-las.

Podemos defini-las da seguinte maneira:

Ambição: obstinação intensa para conseguir determinado propósito; vontade de alcançar sucesso; pretensão. Expectativa em relação ao futuro, aspiração, determinação, vontade.

Ganância: vontade de possuir tudo que se admira para si próprio. É a vontade exagerada de possuir qualquer coisa. É um desejo excessivo especialmente por dinheiro e poder, podendo levar as pessoas a corromper terceiros e se deixar corromper, manipular e enganar, chegando até ao extremo de tirar a vida de seus desafetos. Muitas vezes é confundida com ambição.

Desta forma podemos observar que ambição é algo positivo que te faz perseguir seus sonhos e objetivos e não o deixa desistir. No entanto esse sentimento se for exacerbado pode se tornar ganância, rompendo uma linha tênue que separa os dois sentimentos, essa linha pode ser chamada de ética ou moral.

No início desse ano vivenciamos algumas tragédias, duas delas podem ser caracterizadas pela ganância: o rompimento da barragem de brumadinho que matou mais de 200 pessoas e o incêndio no ninho do urubu em que 10 crianças morreram. Neste post gostaria de chamar sua atenção para a tragédia ocorrida nas categorias de base do Flamengo.

No dia 8 de fevereiro de 2019, o Brasil e o mundo do futebol acordaram em estado choque, assistindo crianças, adolescentes tendo seus sonhos e vidas destruídas. O Flamengo hoje desponta com um dos times mais ricos do Brasil com um orçamento que gira em torno de R$700 milhões, no entanto “os meninos da gávea” como são conhecidos os garotos da categoria de base do Flamengo estavam morando em um local que não se tinha o aval da prefeitura para habitação e além disso estava descrita como área de estacionamento.

Na imagem abaixo podemos ver mais detalhada a estrutura em que moravam esses garotos:

Neste esquema torna-se indiscutível o descaso que se teve com o bem-estar desses garotos que vieram de longe em busca de seus sonhos, e muitos com o objetivo de no futuro proporcionar uma melhor qualidade de vida para sua família.

O mercado do futebol é indiscutível um dos que mais movimenta dinheiro no mundo, por essa razão, muitas vezes esses garotos são vistos apenas como mercadorias, números em uma planilha de lucros. O incêndio no ninho do urubu poderia ter sido evitado, não faltaram avisos, de acordo com a prefeitura do Rio de Janeiro a diretoria do Flamengo foi notificada em 30 casos por falta de alvará.

Após essa tragédia muitas categorias de bases no Brasil inteiro foram interditadas por não possuírem as medidas de segurança mínima para a habitação, evidenciamento que esse evento poderia ter acontecido em outros lugares e ter tomado até proporções maiores.

Em minha opinião o ocorrido não foi uma tragédia, foi um ato criminoso marcado pela ganância de todos os envolvidos no funcionamento desse alojamento, desde o engenheiro que assinou o projeto até o presidente do clube que ignorou os sinais que evidenciavam a ilegalidade do local e a precariedade da estrutura.

Portanto, temos como reflexão que não importa a área em que atuemos profissionalmente, temos que mudar nosso jeito de agir e pensar, é preciso ter-se mais empatia, compaixão, responsabilidade. Decidindo, assim se queremos ser éticos e honestos, ou que não tem problema ultrapassar alguns limites e dessa forma correr o risco de ter sangue nas mãos.

Fontes: Administradores, Esportes R7, Globo Esporte, Isto É, O Globo.

Ciclovia Tim Maia: a importância da avaliação de riscos na Construção Civil

Inaugurada em 2016, no Rio de Janeiro, a ciclovia Tim Maia (figura 1) oferece um dos mais lindos e agradáveis passeios ciclísticos da cidade. Ela liga a Zona Sul à Barra da Tijuca, acompanhando a Avenida Niemeyer ao longo do … Continuar lendo

Desdobramentos sobre o desastre de Mariana

Há exatos 1 anos, 5 meses e 5 dias, acontecia o maior desastre ambiental da história do país e um dos piores a serem registrados pela humanidade. Tal acontecimento já foi tema de um post do blog, onde se é possível ter ideia da dimensão da catástrofe vivenciada pelos moradores do pequeno distrito de Bento Rodrigues e que trouxe uma realidade turva para os moradores do leito do Rio Doce e preocupações a toda população do país.

brazil-australia-mining-accident_christophe_simon_afp-3

Carros e destroços de casas em meio a lama, em Bento Rodrigues (foto: Christophe Simon/AFP)

Barragens são complexas em todas as premissas que um projeto de engenharia possa apresentar. São obras caras, de alta complexidade e com demasiado impacto socioambiental. Sendo assim, é de se esperar que sejam obras de altíssimo risco associado. Estima-se que 1 em cada 10.000 barragens sofrerá um acidente com ruptura por ano. Exige-se um controle estrito no projeto, construção e controle. O que, obviamente, não foi observado na barragem do Fundão.

infografico

Após longas investigações, constatou-se que houve inúmeras falhas por parte da responsável pela barragem, a Samarco S.A, que vão desde a etapa de construção até a parte de monitoramento. Relatórios comprovaram que a companhia tentou explorar ao máximo a capacidade da barragem, mesmo que evidências claras indicassem o contrário.

Consultores contratados atribuem a falha da barragem a uma sucessão de eventos:

  • 2010 : Instalação de tapete drenante: ampliou-se a capacidade de saturação das paredes, levando a um maior potencial de falha por liquefação;
  • 2011-2012 : Lama chegou a lugares onde não era esperada
  • 2012: Galeria de concreto é considerada incapaz de suportar as cargas as quais estava submetida, o que impedia o alteamento das paredes da barragem
  • 2013: Durante o processo de alteamento, nota-se presença de agua no recuo da ombreira
  • 2014: Tapete Drenante se apresentava em sua capacidade máxima

Soma-se a tudo isso, um sucessão de pequeno abalos sísmicos, que podem ter acelerado o processo de liquefação da barragem, que já era considerado avançado.

Infelizmente, esse não foi o primeiro, e nem será o último, acidente envolvendo barragens em nosso país. São muitos os manuais, artigos e livros sobre o assunto, o que descarta incapacidade técnica por parte da Engenharia Civil brasileira. Espera-se que esse acidente tenha servido de lição e que outros responsáveis técnicos por barragens tenham aprendido sobre a importância de todos as etapas, sempre colocando segurança em primeiro lugar.

983805-barragem002

Área afetada pelo rompimento de barragem no distrito de Bento Rodrigues, zona rural de Mariana, em Minas Gerais/ Corpo de Bombeiros/MG – Divulgação

Fontes: Jornal Valor, CBDB