Obra de engenharia suspende capela do antigo hospital Matarazzo a 31 metros de altura

Um delicado projeto de engenharia executado nos últimos nove meses conseguiu deixar suspensa, a uma altura de 31 metros, uma capela de 1.200 toneladas do antigo Hospital Matarazzo, a uma quadra da Av. Paulista, na região central de São Paulo. A … Continuar lendo

Madeira Laminada-Colada (MLC)

As peças de madeira laminada-colada são reconstituídas a partir de lâminas, que são de dimensões elativamente reduzidas se comparadas às dimensões da peça final assim constituída. A fabricação de MLC reúne duas técnicas: laminação e colagem.

Laminação, por definição, são pequenos pedaços de madeira formando um único membro grande, forte, estrutural. Esses elementos estruturais são utilizados como colunas verticais ou horizontais, vigas, assim como curvas, arqueando em formas.

esquema-viga-madeira-laminada-colada

Nas primeiras aplicações, as lâminas de madeira eram unidas por pregos e cintas metálicas, e somente após o surgimento de colas de alta resistência é que se tornou possível a fabricação da madeira laminada-colada. A técnica de colagem é responsável por deixar a seção mais homogênea e evitar as ocorrências de deslizamentos entre as lâminas.

Em 1940, com o aparecimento das colas sintéticas que o sistema laminado-colado conheceu o seu grande progresso. As espécies de madeira mais recomendadas para o emprego em MLC são as das coníferas e algumas folhosas, como Pinus e Eucalipto. As substâncias de colagem mais usadas são a caseína, resorcina, uréia-formol e melamina.

A escolha da cola depende de dois fatores: tipo de madeira e condições externas. Entretanto o fator condições externas deve ser tratado com mais importância, visto que é preciso levar em consideração principalmente o meio a que a estrutura vai estar submetida, ou seja, temperatura e teor de umidade. Estar abrigada no interior da edificação ou exposta à variação das condições atmosféricas, como, alternância de sol e chuva, são informações que determinam uma estratégia para o uso da MLC.

bodegas-protos-espanha

Leveza, alta capacidade de carga, resistência e flexibilidade de formas são propriedades da madeira laminada-colada. O seu emprego vai desde pequenas passarelas, escadas e abrigos até grandes estruturas concebidas sob as mais variadas formas estéticas. São destinadas a cobrir vãos de até 100 metros sem apoio intermediário.

Não se pode esquecer que a MLC é antes de mais nada “madeira”, logo, além das vantagens da estrutura ser em madeira laminada-colada, é preciso lembrar das vantagens que estão reunidas na própria madeira, como excelentes características estruturais e baixa condutibilidade térmica. Porém, além das vantagens do material, a técnica do laminado-colado confere ainda às estruturas de madeira, características como a exigência de um número bem menor de ligações, uma vez que são previstos para grandes dimensões; possibilidade de obter peças com raio de curvatura reduzido, variável e até mesmo em planos diferentes; possibilidade de tratamento da madeira, tábua por tábua, em autoclave, o que confere enorme eficiência e garantia que pode chegar até 50 anos contra o ataque de fungo e insectos xilófagos.

Como outros produtos de madeira, a MLC representa um uso eficiente da madeira disponível. Enquanto a demanda por madeira continua a aumentar em todo o mundo, há uma redução na oferta de madeiras com alta qualidade e grande diâmetro. E combinada com as preocupações ambientais e as mudanças nas práticas de gestão florestal, a fabricação de madeira maciça fica cada vez mais caro e mais difícil. Por isso a madeira laminada-colada faz o uso de menores dimensões, mas são projetados para ser mais forte e de mesmo tamanho da madeira maciça. Eles também sofrem menos defeitos e retração devido a alterações de umidade. Com isso, combatem fenômenos como empenamento e torção.

1

Fonte: AECWeb; Rewood; Calil Madeiras.