Um País Unimodal

 

1

Visando a análise de transporte de cargas e pessoas, o Brasil pode ser considerado um país que possui um modelo unimodal, ou seja, a predominância de um único sistema de transporte em detrimento dos demais. A utilização desse modelo pode acarretar  problemas logísticos e econômicos para qualquer país, que podem ser agravados em países com grande extensão territorial como é o caso do Brasil.

A paralisação dos caminhoneiros em maio de 2018, gerou grande impacto na economia brasileira, como o aumento do preço de combustíveis, falta de estoque de alimentos nos supermercados, expondo um país que estava a beira de um colapso. Essa greve incitou alguns questionamentos sobre como a economia brasileira se tornou refém de uma classe trabalhadora, e oque fazer para mudar essa situação.

blog

Imagem da greve de caminhoneiros em 05/2018

A malha rodoviária, hoje, é responsável por volta de 75% do escoamento de toda a produção brasileira, demonstrando uma disparidade exorbitante em relação aos demais modais ( ferroviária, hidroviária, marítima, aérea e etc.), isso ocorre devido a um fator histórico-político ocorrido em 1950, no qual o então presidente Juscelino Kubitschek estimulou a empresa automobilística como força motriz da indústria brasileira, desestimulando e sucateando o desenvolvimento de outros modais, como a malha ferroviária.

O investimento no setor ferroviário para realizar uma integração de modais, desponta como principal solução para mudar o quadro atual em que o país se encontra. Hoje o Brasil possui apenas 30 mil quilômetros de ferrovias, extensão muito pequena em comparação com países emergentes como a China (121.000 km) e Índia (68.000 km), tendo menor dimensão até que a Argentina (36.000 km).

 blog2

Tabela de comparação entre ferrovias no Brasil e outros países.

A utilização de ferrovias proporciona um menor custo de manutenção e transporte em relação as rodovias, as disparidades de gastos entre os modais aumentam de acordo com a distância percorrida, além disso a emissão de poluentes por ferrovias são 15% menores em relação as rodovias. Visto isso e a vasta extensão territorial do país, torna-se essencial  implementação de ferrovias que cortem o país e liguem os principais centros urbanos, buscando uma combinação com outros modais, já que a malha ferroviária torna-se menos efetiva  no transporte à curtas distâncias.

O principais desafios enfrentados para o crescimento da malha ferroviária brasileira é a precariedade em que se encontra as ferrovias brasileiras que nos últimos 40 anos perdeu 10.000 km de sua extensão, outrossim é a necessidade da implementação e continuidade de um plano de governo de médio a longo prazo, ou seja, é preciso que o projeto tenha continuidade por mais de um mandato, outro imbróglio é o alto investimento inicial, que gira em torno de R$45 bilhões, visando a ampliação, manutenção e construção de pátios que abriguem trens com 120 vagões, e a criação de novas rotas ferroviárias que dinamizem a economia do país. Além disso a rígida regulamentação em relação aos fretes do modal geram um entrave em seu desenvolvimento e afastam maiores investimentos de empresas privadas no setor.

Sendo assim pode-se dizer indubitavelmente que o Brasil necessita de uma mudança em relação a seus modais , e para que ela ocorra é preciso se ter um alto investimento governamental para integrá-los da melhor maneira, ou seja, um meio que favoreça o crescimento econômico a médio e longo prazo, gerando empregos para a população e dinamizando o transporte de cargas efetuado no país.

Referências: Blog LogísticaExameCorreio BrazilienseNexo JornalIlosAgência Brasil.

O tênis que foi pego no Doping

Durante a temporada 2008-2009 da NBA, liga norte-americana de basquetebol, uma novidade tecnológica gerou polêmica ao ser proposta pelos jogadores do tradicional time Boston Celtics para uso em plena reta final de temporada, a novidade tratava-se dos tênis APL(Athletic Propulsion Labs) Concept 1, Protótipo criado pelos gêmeos Adam e Ryan Goldston que continha em sua estruturação um sistema de propulsão que aumentaria o desempenho dos atletas, fazendo com eles pulem mais alto e também corram mais rápido com menor esforço. O protótipo foi vetado na época por violar a regra de competitividade da liga, sendo considerado um esteróide em forma de calçado por fornecer uma significativa vantagem a favor de quem os usa,  impulsionando assim a discussão de como a tecnologia poderia ser utilizada a favor do atleta sem prejudicar a competição.

 

Resultado de imagem para apl shoe

Foto do protótipo APL(Athletic Propulsion Labs) Concept 1

 

 

Jump Higher Shoes 1

 

 

O tênis gera um aumento de cerca de 9 cm no alcance  vertical do atleta

 

Qual a tecnologia por trás do tênis ?

O tênis  utiliza um dispositivo de propulsão na parte mais a frente da sola chamado Load ‘N Launch, que consiste em um sistema de molas que quando pressionado pelo atleta,  “carrega”(Load) a força exercida por ele e em seguida libera (Launch) em forma de energia elástica, aumentando o impulso do atleta e consequentemente melhorando sua performance.

 

Resultado de imagem para apl banned shoe

sistema de propulsão “Load ‘N Launch”, constituído de 6 molas grandes e duas pequenas.

 

 


Imagem relacionada

propaganda mostrando  a performance com e sem o tênis.

 

Vídeo do canal What’s Inside abrindo o produto.

 

Questão da tecnologia no esporte

A questão levantada com a proibição foi de como não afetar a competição com os novos produtos. Não há como evitar que as tecnologias comecem a fazer parte da vida dos atletas e é cada vez maior o número de pesquisadores que dedicam suas carreiras a criar dispositivos e materiais para auxiliar na vida de atletas, sejam eles amadores ou profissionais. O intuito desse tênis seria permitir que as pessoas saltem sem forçar tanto a musculatura e as articulações, o que já foi suficiente pra considera-lo um potencializador  de performance. Então como as novas tecnologias e materiais  se adequariam ?  Parece que por fim a questão não foi um grande impecílio uma vez que a indústria esportiva gerou novas tecnologias para alta performance dos atletas , que focavam na estabilidade, conforto, segurança e ainda se adequavam as condições das ligas profissionais , e um exemplo disso é a tecnologia BOOST, que domina o mercado desde 2013 com empresas como Adidas e PUMA.

Resultado de imagem para tecnologia boost foto

Adidas Energy BOOST: Exemplo de inovação tecnológica sem restrições de uso nas ligas esportivas.

Cursos de engenharia no processo criativo

A engenharia é de suma importância no processo de desenvolvimento e produção das inovações no mundo do esporte. O processo tanto criativo quanto produtivo passam pela mão de engenheiros, e essa necessidade de uma mão de obra qualificada e empreendedora  faz com que empresas gigantes do ramo esportivo procurem parcerias em polos educacionais  para desenvolver seus produtos, como é o caso da Nike, que em 2016 firmou uma parceria com a universidade de Denver(EUA) para desenvolvimento de novos designs para seus produtos da linha de basquetebol.

 

Vídeo explicando a parceria da Nike com a DU (University of denver)

 

Nessa parceria, alunos de engenharia mecânica e elétrica  foram designados para projetar calçados com maior estabilidade, conforto e menor risco de contusões, respeitando a regra de competitividade das ligas profissionais.  E pra isso contam com alguns dos equipamentos de radiografia e captura de movimentos mais avançados do mundo, podendo assim fazer análises de força e movimento milimétricas e trabalhar juntando a paixão pela engenharia com a paixão pelo esporte.

Student pointing at computer screen

estudantes trabalhando em novas tecnologias da Nike

 

Que fim levou a marca ?

Ao contrario das outras marcas, a APL não adaptou seu produto para que pudesse ser utilizado, assim, seu banimento foi oficializado pela NBA na temporada 2010-2011, porém , diferentemente do que se esperava, os irmãos Adam e Ryan Goldston tiraram bom proveito da situação e as vendas do tênis dispararam com a proibição,com a empresa tendo seus estoques liquidados em pouquíssimo tempo . Utilizando o banimento como estratégia de marketing eles lançaram o slogan “Banned by the NBA” (Banido pela NBA)  e foram vendidos milhares de exemplares. Atualmente a empresa ainda se mantém no ramo com firmeza, explorando  o rótulo de alternativa.

Resultado de imagem para apl banned shoe

“Because of the NBA ban announcement, we are experiencing an enormous ammount of traffic” (Devido ao anúncio de banimento da NBA, estamos presenciando um tráfego enorme)

referencias :

https://www.tecmundo.com.br/internet/8574-como-funciona-o-apl-tenis-banido-pela-nba.htm

https://latimesblogs.latimes.com/sports_blog/2010/10/the-nba-is-prohibiting-its-players-from-wearing-a-new-line-of-sneakers-that-claims-to-increase-vertical-leapthe-nba-sa.html

http://bestadjustabledumbbellspro.com/how-to-increase-vertical-jump/best-exercises-for-jumping-higher/are-there-shoes-that-make-you-jump-higher/

https://melmagazine.com/en-us/story/sole-brothers

https://interestingengineering.com/video/this-is-what-is-inside-the-shoes-the-nba-banned-for-being-too-powerful?fbclid=IwAR1q-R7Dsma7YkI96R3NsIDnxOpJQTcsuWLu39xgBltc80n2TQ2xa0HVLts

https://www.du.edu/news/nike-and-du-improving-future-performance-footwear

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

XIV Olimpíada de Engenharia Civil

Capa

Na última quarta-feira, dia 12 de setembro, às 19 horas, aconteceu a cerimônia de ruptura da XIV Olimpíada de Engenharia Civil realizada pelo PET Civil UFJF. Cerca de 100 pessoas foram prestigiar as 7 equipes que participaram do Concurso de Pontes de Papel 2018, o qual teve 750 reais em prêmios, além de vários sorteios para a plateia. O evento fez parte da XLI Semana da Engenharia, tradicional evento realizado pelo Diretório Acadêmico da Faculdade de Engenharia, realizado entre os dias 10 e 14 desse mês. A edição contou com os patrocínios da Arcelor Mittal, Digão Lanches e Fundação Centro Tecnológico de Juiz de Fora.

Plateia

Plateia com cerca de 100 pessoas prestigiando o evento

Este slideshow necessita de JavaScript.

O edital desse ano veio com algumas novidades em relação à avaliação das pontes. Além da exatidão do projeto e da eficiência da ponte, a justificativa do colapso e a estética também passaram a fazer parte da avaliação do concurso. A justificativa foi avaliada pelo tutor Marcelo Barros e pelos professores convidados Álvaro Motta (da UFJF) e Kleber Gonçalves (da Rede de Ensino DOCTUM) e a estética foi avaliada pelo público durante a tarde do dia 12. Antes das pontes serem submetidas a cargas crescentes com um balde se enchendo de água, os participantes elaboraram seus projetos e montaram suas pontes com papel cartão e cola, somente.

Avaliadores

Professores avaliando as justificativas de colapso

Mas até o grande dia chegar, os petianos tiveram muito trabalho para colocar tudo em ordem para que ocorresse mais uma edição de um dos eventos mais tradicionais da Faculdade de Engenharia da UFJF. Desde testes para verificar parâmetros físicos e mecânicos de um lote de papel cartão até a elaboração do projeto, montagem e ruptura de pontes-teste, foram realizados para que os inscritos tivessem todas as informações necessárias para construir suas pontes.

E no dia não foi diferente: os 15 atuais petianos (com a gratificante ajuda de egressos e amigos) trabalharam exaustivamente para que o evento fosse um sucesso. E não deu outra… o resultado gerou muitas emoções!!!

Emoção

Participantes não acreditavam no resultado

Este slideshow necessita de JavaScript.

IMG_2183

PET Civil 2018.3

O PET Civil UFJF agradece a presença de todos e já convida para a XV Edição de nossa Olimpíada de Engenharia que já tem novidades!!!

Os principais modelos de mobilidade urbana no mundo

Mobilidade urbana é a forma e os meios utilizados pela população para se deslocar dentro do espaço urbano. Para avaliar a mobilidade urbana é preciso levar em conta fatores como: organização do território, fluxo de transporte de pessoas e mercadorias e os meios de transportes utilizados.

Devido ao grande índice populacional, em algumas cidades brasileiras a mobilidade urbana é considerada um dos principais desafios de gestão na atualidade, já que, juntamente ao crescimento da população, ocorre o aumento do número de pessoas que utilizam transporte individual para se locomoverem. Entre os fatores que demonstram o fracasso desse meio de transporte estão os engarrafamentos e a poluição do meio ambiente. Hoje, esses fatores são comuns nas principais cidades do Brasil. A frota de automóveis brasileira cresceu 400% em dez anos, conforme dados da FGV (Fundação Getúlio Vargas), numa pesquisa realizada em 2016. Outro dado preocupante é que cidades com São Paulo e Rio de Janeiro não apresentaram o mesmo índice de aumento na construção de transportes alternativos e coletivos, como o metrô de superfície no mesmo período, opções de transporte que são alternativas menos agressivas que o transporte individual.

BICIXCOCHES

O estímulo ao transporte não motorizado é um dos traços que caracteriza as melhores cidades do mundo em mobilidade. Além disso, a implantação de sistemas que priorizam a integração entre os modais faz com que o trânsito seja mais fluido e prático, com conexões reais entre os diferentes meios de transporte.

Em Berlim, capital da Alemanha, a diversidade de modais disponíveis e a facilidade de acesso é a principal característica da mobilidade urbana. Lá, trens, ônibus, metrôs, carros e bicicletas circulam em harmonia. Cerca de 13% das rotas são feitas de bicicleta, e a preferência pelo transporte público aumenta a cada ano. Entre 2001 e 2011, o número de usuários do transporte público cresceu mais de 20%. Um dos componentes importantes das políticas públicas de Berlim para o transporte tem sido o planejamento das vias para bicicleta e pedestres. A cidade construiu mais de 1000 quilômetros de ciclovias e o número de ciclistas aumentou mais de 40% entre 2004 e 2012. Em média, moradores de Berlim andam ou pedalam em 40% das suas viagens. Outra importante iniciativa da cidade alemã são os projetos de carros elétricos. Desde 2012, Berlim tem investido na tecnologia, e conta com 7,9 mil veículos elétricos, e mais de 500 estações de carga de energia espalhadas pela cidade.

Outro exemplo de sucesso na questão da mobilidade urbana é a cidade de Hong Kong, principal centro de negócios e turismo da Ásia. A cidade conta com um dos sistemas de mobilidade urbana mais bem organizados e eficientes do continente. Por dia, são aproximadamente 12,6 milhões de viagens feitas de transporte público. O que faz os deslocamentos serem eficientes é o sistema MTR (Mass Transit Railway), reconhecido como um dos mais eficazes do mundo. Espécie de linha de trem super rápida, serve às áreas urbanizadas de Hong Kong e localidades próximas, sendo o meio de transporte mais popular da região, com cerca de 5 milhões de viagens diárias. O MTR tem aproximadamente 218,2 quilômetros de extensão, com 159 estações. A eficiência no tempo dos trajetos também conta pontos para a cidade: estimativas apontam que os trechos são feitos dentro do horário estimado em 99% dos casos.

Hong Kong Tram

Mais um exemplo é a capital da Inglaterra. Londres é uma cidade pioneira em mobilidade: implantou o primeiro túnel submarino, o primeiro aeroporto internacional e a primeira rede ferroviária subterrânea do mundo, o London Underground, conhecido como The Tube. Hoje, o sistema de transporte da cidade é referência mundial por integrar metrô, trem, ônibus, bicicleta e táxis. O metrô de Londres tem mais de 400 quilômetros de extensão, e transporta cerca de 1,1 bilhão de passageiros por ano. A peça-chave desse sistema integrado são os Oyster Card, outra referência criada por Londres. O sistema de bilhetagem eletrônica permite que os moradores acessem os diferentes tipos de transporte com apenas um cartão. O Oyster dá acesso ao metrô, ônibus, trens e aos barcos que sobem e descem o Rio Tâmisa. Outra iniciativa adotada pela cidade foi o pedágio de congestionamento, que restringe a circulação de carros no centro. O objetivo é estimular o uso do transporte público e reduzir as emissões de carbono pelos veículos.

londres_interna

Situado a cerca de 80 quilômetros de Londres, o condado de Cambridge tornou-se modelo de mobilidade urbana depois da implantação do sistema de transporte coletivo conhecido como BHLS (Bus with High Level of Service, que significa “Ônibus com Alto Nível de Serviço”), ou The Bushway. Instalados em 2011, os veículos desse tipo se diferenciam dos ônibus comuns por serem mais velozes e seguros. Construído no percurso de uma antiga ferrovia desativada, o modelo tem um sistema conhecido como “guided bushway”. O veículo é guiado por rodas de aproximação nas faixas exclusivas, o que permite que ele trafegue em velocidades com segurança. Além disso, foi construído de modo que os ciclistas possam utilizar ciclovias laterais ao seu trajeto. Nas principais estações, há locais para guardar a bicicleta e também estacionamentos para veículos, para quem quiser deixar o carro estacionado e seguir seu trajeto pelo BHLS. A infraestrutura oferece alta acessibilidade em todas as estações, o piso é nivelado à plataforma de embarque. Em horários de pico, a frequência é de um ônibus a cada 5 minutos.

No Brasil, pode-se destacar a cidade de Curitiba como um expoente no setor de mobilidade urbana. Há mais de 30 anos, a cidade criou corredores de ônibus de forma inteligente visando a valorização do transporte público. As inovações estratégicas de mobilidade urbana como a criação do ‘ligeirão’ (um ônibus cinza que não para em todos os pontos) e a construção de novos corredores de integração mantêm a cidade ainda como modelo da América, mas o baixo investimento nacional em novas tecnologias pode deixar todo o sistema para trás.

Além de uma mudança de cultura, é imprescindível o investimento tecnológico para melhoria dos sistemas de transportes urbanos do Brasil.

591265-31676-1280

Fonte: Gazeta do PovoG1E-Moving.

XXIII ENAPET

 

WhatsApp Image 2018-07-22 at 01.45.22

O XXIII Encontro Nacional do Programa de Educação Tutorial (ENAPET) ocorreu entre os dias 15 e 20 de julho, na Universidade Estadual de Campinas (UniCamp). Em uma parceria dos PETs da UFSCar com os da UniCamp, foi formada a Comissão Organizadora UFSCamp, a qual deu o tema “Unidos pela mesma raiz!” ao evento.

Entre os cerca de 1400 participantes (petianos ativos, egressos, tutores e CO) estavam Adriele Valle, Eduardo Fonseca e Talita Nogueira do PET Civil da UFJF, juntamente com o recém tutor Marcelo Miranda.

WhatsApp Image 2018-07-21 at 18.13.46

Representantes do PET Civil UFJF no XXIII ENAPET

Esse encontro tem por objetivo juntar todos os grupos de Educação Tutorial do país, sejam eles vinculados ao MEC ou à própria IES, a fim de discutir e lutar pelos direitos do programa e trocar experiências em grande escala.

Com uma delegação de 54 petianos e getianos, a UFJF foi umas das Universidades com maior peso no evento. Alojados numa escola particular de Campinas e se alimentando no próprio evento, a integração interna também foi muito importante (foi uma semana de convívio intenso!).

Após todos os credenciamentos terem sido realizados, partimos para as atividades características do evento, tais como: “Encontro de Discentes” e “Encontro de Docentes” (onde os petianos podiam ter uma discussão mais aberta sobre as dificuldades do programa, portanto sem ser um evento deliberativo); “Pré-GDTs” (Pré-Grupos de Discussão e Trabalho, onde foi discutido sobre temas que, mais tarde, teriam deliberações nos GDTs – explicados mais a frente); “EAs” (Encontros por Atividade, também sem fins deliberativos mas que fosse discutido sobre atividades gerais de todo PET/GET); os “GDTs” em si (Grupos de Discussão e Trabalho, no qual foram apresentados e votados os encaminhamentos e sugestões dos Encontros Regionais e elaborados novos; todos aprovados pela parcela da plenária total foram enviados para a Assembleia Geral); “Oficinas e Minicursos” (atividades mais descontraídas com temas culturais, aleatórios ao programa, num clima de descontração e aprendizagem sobre habilidades que você jamais poderia pensar em ter); “Apresentação de Trabalhos Orais e Banners” (nesta, atividades foram mostrados a todos os interessados, onde os petianos Eduardo e Talita apresentaram o banner “INTERVENÇÕES PET: Atividades que visam a excelência na graduação” e Adriele apresentou o, também, banner “INTERPET/GET UFJF”, trabalho em parceria com a comissão INTERPET/GET, o qual ela e Eduardo foram dois dos autores); “Reunião MOBILIZA PET” (nessa atividade foram eleitas as comissões locais, regionais e nacionais para o “VI Mobiliza PET”, mobilização anual que se torna necessária por direitos que, muitas vezes, não vêm sendo garantidos pelo MEC); e, por fim, a “Assembleia Geral” (atividade máster do evento onde todos os encaminhamentos e sugestões foram votadas pela plenária, direcionando o futuro do programa – foram cerca de 16 horas de assembleia!).

Manual do Congressista com mais informações sobre o evento.

WhatsApp Image 2018-07-19 at 16.00.34

Assembleia Geral

Apresentação de trabalhos

Eventos culturais como assistir a final da Copa do Mundo, jogos interativos e tour pelo bares da região também não podiam faltar. Também houve a festa oficial “Já é jogos universitários!”, momento de diversão, descontração e integração dos petianos/getianos.

WhatsApp Image 2018-07-21 at 18.13.47

Final da Copa com PET Elétrica UFJF

O XXIV ENAPET já tem sede aprovada e será em Natal – RN, já que pelo rodízio o evento deve ser na região Nordeste do Brasil. QUE VENHA O XXIV ENAPET!!!

Por que não no Catar?

A Copa do Mundo da Rússia acabou e já deixa saudades para aqueles que adoram assistir jogos atrás de jogos e sentir o famoso “clima de Copa”. Para os mais fanáticos, duas informações que incomodam: o próximo mundial será apenas em 2022 e em um lugar no mínimo inusitado, o Catar

catarq-900x505

Se havia alguma dúvida sobre qual o único fator importante na escolha das sedes das Copas do Mundo pela Fifa, ela foi desfeita em 2010. A opção pelo Catar foi meramente financeira e disfarçada pela entidade com o discurso de “levar o futebol a novas fronteiras”. A vitória do Catar foi classificada como tendo alto risco operacional pela mídia estadunidense, australiana e britânica e foi severamente criticada após os escândalos de corrupção na FIFA.  Dinheiro não será problema para o maior exportador de gás natural liquefeito do mundo, e por isso os delegados da Fifa, como Joseph Blatter – hoje banido do futebol – levaram a Copa para o Oriente Médio.

Muitos fatores sugerem que o Catar pode não ser uma boa opção para sediar uma Copa do Mundo, como questões políticas, já que o país não reconhece o estado de Israel e uma eventual classificação do país poderia criar problemas; questões religiosas que preocupam diante do conservadorismo radical; e o calor, visto que em determinados períodos do ano as temperaturas costumam chegar a 50 graus centígrados. Porém, a FIFA e o governo local garantem que os problemas serão contornados. Por exemplo, o evento foi marcado para ser realizado em uma data alternativa de 2022 – novembro e dezembro –  visando um período com temperaturas sensatas para realização de partidas de futebol.

FBL-QATAR-WC-2022-STADIUM

Entretanto, existe um fator que confirma que a Copa do Mundo no Catar já é um verdadeiro desastre. Um novo relatório da Anistia Internacional revelou, em 2013, que o setor da construção civil no Catar encontra-se repleto de abusos, com os trabalhadores empregados em vários projetos de milhões de dólares sendo intensamente explorados. No país, a maioria da mão-de-obra barata é formada por imigrantes do Nepal, Índia e Paquistão que são expostos a longas jornadas – muitas acima de 12 horas – e lidam com um ambiente de trabalho pouco seguro e carente de infraestrutura adequada. Há relatos de condições análogas à escravidão nas obras da Copa. Passaportes são confiscados e os salários são retidos pelos chefes durante meses. Tudo isso sob as condições climáticas bastante improprias.

Um relatório da International Trade Union Confederation constatou que 1200 imigrantes, a maioria da Índia e do Nepal, já perderam suas vidas em 2015 e a estimativa da entidade é que, no total, 4 mil operários vão morrer até o começo dos jogos, em 2022. As mais diferentes adversidades nas condições de trabalho levam os trabalhadores à morte: acidentes de trabalho, ataques cardíacos, doenças desenvolvidas por conta da vida precária e até suicídio. Um representante do comitê organizador da Copa no país negou as informações e disse que os números estavam errados.

Comissões de direitos humanos pedem o fim do sistema local chamado “kafala”, muito comum nos países árabes do Golfo Pérsico. Nesse sistema, os imigrantes sem qualificações e dinheiro entram no Catar para trabalhar com a ajuda de um “patrocinador”. Este paga o visto, o custo da viagem e a hospedagem. Geralmente, essa pessoa é o futuro chefe, abrindo margem para a exploração dos trabalhadores: eles chegam ao país já devendo para seus empregadores.

O problema está longe de ter fim e todo o crescimento em infraestrutura almejado pelo Catar pode apagar a situação trágica de segurança do trabalho nas construções de metrôs, aeroportos, redes ferroviárias, hotéis e estádios. O crescimento econômico do país de 15,5 a 21 por cento ao ano é manchado por milhares de mortes de operários imigrantes.

FONTE: ESPN; Exame; Ig.

Obra de engenharia suspende capela do antigo hospital Matarazzo a 31 metros de altura

Um delicado projeto de engenharia executado nos últimos nove meses conseguiu deixar suspensa, a uma altura de 31 metros, uma capela de 1.200 toneladas do antigo Hospital Matarazzo, a uma quadra da Av. Paulista, na região central de São Paulo. A … Continuar lendo

Telha Solar: Uma alternativa aos painéis fotovoltaicos

Inicial

Devemos reconhecer que a sociedade atual se tornou dependente da energia elétrica. Atividades simples como assistir à televisão ou ler um artigo como esse só são possíveis devido a ela. Casas, escolas, supermercados e shoppings precisam de energia para funcionar e, além disso, boa parte dos avanços tecnológicos que alcançamos até hoje se deve a esse advento. Há pouco tempo atrás se pensava, ainda, que as sociedades mais evoluídas eram as que mais consumiam energia. Porém, as altas agressões ao meio ambiente e os grandes sacrifícios da sociedade fizeram que esse conceito fosse repensado, originando meios mais sustentáveis de se produzir energia através de recursos renováveis.

Nessa linha de raciocínio, os painéis fotovoltaicos tem sido uma ferramenta muito utilizada, tanto por famílias que pretendem gerar sua própria energia, quanto por empresas e cidades, em lugares estratégicos, para redução do uso de energia proveniente de outros processos. Portanto, a cada dia, com o avanço das inovações tecnológicas (não só no setor energético), a tendência de otimização dos processos vai se tornando necessária. Daí surgiu o projeto das Telhas Solares.

ONDE SURGIU?

Em 2009, nas Universidades do Minho e Nova de Lisboa, ambas portuguesas, surgiu a ideia das telhas fotovoltaicas que, na época, era considerada um dos mais inovadores projetos na área da energia solar a nível mundial. Vasco Teixeira, coordenador do Grupo de Revestimentos Funcionais (GRF) do Centro de Física da Universidade do Minho (CFUM) e um dos desenvolvedores da nova tecnologia, afirma que “O mais importante e abundante recurso que nos é naturalmente oferecido é o Sol, apresentando-se como uma inesgotável, e amiga do ambiente, fonte de energia […]”, o qual não pode ser desconsiderado, pois sua radiação é convertida em energia elétrica (efeito fotovoltaico), atendendo as expectativas de produção de energia sustentável e à demanda de, no futuro, cada casa ser autossuficiente em energia, através da tecnologia das telhas solares.

AFINAL, O QUE SÃO AS TELHAS SOLARES?

Telhas, com estética similar às tradicionais, que contam com mini-painéis solares embutidos em seu interior que transformam a energia solar em energia elétrica. Vem como uma alternativa aos painéis solares fotovoltaicos instalados sobre os telhados tradicionais.

Os painéis solares, apesar de ainda ser o mais adotado, não atendem os aspectos estéticos dos telhados, fazendo com que o público tenha certa rejeição para com este modelo. Isso faz as vendas e o deslanche do setor energético ficar estagnado, não somente pelo valor da instalação dos painéis solares, mas pela aparência.

Algumas empresas já fabricam as telhas como a Tesla, Area Industrie Ceramiche, REM, SRS Energy e E.U.Tile. Já no Brasil ainda é necessária maior diversificação da matriz energética e a promoção de maiores subsídios para as energias renováveis, atraindo investidores para programar a fabricação em território nacional.

Algumas de suas propriedades podem ser destacadas:

  • Feita de material translúcido que cobre a célula fotovoltaica que chega a um conversor que transforma a energia solar em energia elétrica.
  • Essa energia é acumulada em uma bateria suficiente para abastecer uma casa com quatro quartos, frigorífico, luzes e outros eletrodomésticos.
  • Há uma diversidade de modelos: Liso, texturizado, toscano e xistoso.

tipos

  • Custo estimado em US$ 21,85/m².
  • Tempo de instalação entre 5 e 7 dias.
  • Vida útil pode chegar a 50 anos.
  • Resistência a impacto três vezes maior que as telhas comuns.
  • Eficiência apenas 2% menor do que a dos painéis solares tradicionais.
  • Viabilidade para a intercalação de telhas comuns e solares.

ALGUMAS VANTAGENS E DESVANTAGENS

5

  • Estética moderna e atrativa, sendo idêntica a uma casa convencional, visto que as tradicionais são grosseiras (grandes e pesadas).
  • Mesmo em telhados pré-existente, basta a substituição das telhas comuns pelas fotovoltaicas, desde que sejam do mesmo modelo: basta interligar as conexões e prender os condutores nas ripas de madeira que sustentam as telhas.
  • Possibilita aplicação de telhas solares intercaladas com telhas não solares
  • Não gera custo adicional, pois não é necessária a colocação de suportes especiais para a sustentação de painéis.
  • Economia de energia em longo prazo: em 30 anos, para um telhado de 185 m², estima-se um custo de cerca de 50 mil dólares e gera economia da ordem de 64 mil dólares.
  • Agrega valor à edificação.
  • Sustentável: energia renovável e redução da pegada ecológica.
  • Maior resistência e vida útil.

6

  • Falta de incentivos fiscais para edificações que fazem uso dessa tecnologia.
  • Preço de instalação elevado.
  • Eficiência 2% menor que a dos painéis solares.

CONCLUSÃO

As telhas solares tem grande potencial para um futuro próximo. Como podemos perceber no esquema abaixo, elas se destacam nas vantagens de sua utilização. Espera-se que, no Brasil, tenha incentivo fiscal para a utilização e promoção de maiores subsídios que atrairão investidores para implementação da tecnologia.

7

O artigo acima foi baseado no trabalho acadêmico apresentado pelos alunos Camila Sales Rocha Ramos, Eduardo Fonseca Ribeiro (autor do post) e Thiago Celeiro Nascimento à Professora DSc. Maria Teresa Gomes Barbosa na disciplina Materiais de Construção Civil 1 da Universidade Federal de Juiz de Fora.

FONTES: Portal EnergiaEngenharia ÉPortal Solar.

 

Madeira Laminada-Colada (MLC)

As peças de madeira laminada-colada são reconstituídas a partir de lâminas, que são de dimensões elativamente reduzidas se comparadas às dimensões da peça final assim constituída. A fabricação de MLC reúne duas técnicas: laminação e colagem.

Laminação, por definição, são pequenos pedaços de madeira formando um único membro grande, forte, estrutural. Esses elementos estruturais são utilizados como colunas verticais ou horizontais, vigas, assim como curvas, arqueando em formas.

esquema-viga-madeira-laminada-colada

Nas primeiras aplicações, as lâminas de madeira eram unidas por pregos e cintas metálicas, e somente após o surgimento de colas de alta resistência é que se tornou possível a fabricação da madeira laminada-colada. A técnica de colagem é responsável por deixar a seção mais homogênea e evitar as ocorrências de deslizamentos entre as lâminas.

Em 1940, com o aparecimento das colas sintéticas que o sistema laminado-colado conheceu o seu grande progresso. As espécies de madeira mais recomendadas para o emprego em MLC são as das coníferas e algumas folhosas, como Pinus e Eucalipto. As substâncias de colagem mais usadas são a caseína, resorcina, uréia-formol e melamina.

A escolha da cola depende de dois fatores: tipo de madeira e condições externas. Entretanto o fator condições externas deve ser tratado com mais importância, visto que é preciso levar em consideração principalmente o meio a que a estrutura vai estar submetida, ou seja, temperatura e teor de umidade. Estar abrigada no interior da edificação ou exposta à variação das condições atmosféricas, como, alternância de sol e chuva, são informações que determinam uma estratégia para o uso da MLC.

bodegas-protos-espanha

Leveza, alta capacidade de carga, resistência e flexibilidade de formas são propriedades da madeira laminada-colada. O seu emprego vai desde pequenas passarelas, escadas e abrigos até grandes estruturas concebidas sob as mais variadas formas estéticas. São destinadas a cobrir vãos de até 100 metros sem apoio intermediário.

Não se pode esquecer que a MLC é antes de mais nada “madeira”, logo, além das vantagens da estrutura ser em madeira laminada-colada, é preciso lembrar das vantagens que estão reunidas na própria madeira, como excelentes características estruturais e baixa condutibilidade térmica. Porém, além das vantagens do material, a técnica do laminado-colado confere ainda às estruturas de madeira, características como a exigência de um número bem menor de ligações, uma vez que são previstos para grandes dimensões; possibilidade de obter peças com raio de curvatura reduzido, variável e até mesmo em planos diferentes; possibilidade de tratamento da madeira, tábua por tábua, em autoclave, o que confere enorme eficiência e garantia que pode chegar até 50 anos contra o ataque de fungo e insectos xilófagos.

Como outros produtos de madeira, a MLC representa um uso eficiente da madeira disponível. Enquanto a demanda por madeira continua a aumentar em todo o mundo, há uma redução na oferta de madeiras com alta qualidade e grande diâmetro. E combinada com as preocupações ambientais e as mudanças nas práticas de gestão florestal, a fabricação de madeira maciça fica cada vez mais caro e mais difícil. Por isso a madeira laminada-colada faz o uso de menores dimensões, mas são projetados para ser mais forte e de mesmo tamanho da madeira maciça. Eles também sofrem menos defeitos e retração devido a alterações de umidade. Com isso, combatem fenômenos como empenamento e torção.

1

Fonte: AECWeb; Rewood; Calil Madeiras.

As mudanças mais relevantes no ensino da Engenharia

Assim como muitas coisas da vida, a Engenharia também se desenvolveu. O curso vem apresentando mudanças significativas, num período de, aproximadamente, duas décadas. Ao comparar um recém-formado com um engenheiro que concluiu o curso há 20 anos é possível imaginar que não se trata da mesma faculdade. Logicamente, as matérias do ensino básico continuam da mesma forma, mas algumas situações e prioridades modificaram bastante ao longo do tempo, tanto por parte dos alunos quanto dos professores.

Nas instituições de ensino superior, dificilmente, encontra-se profissionais que não tenham, em sua formação, um título de doutor. Antigamente, os professores tinham experiência no mercado de trabalho, ou como consultores ou como empresários. De certa forma, isso era muito vantajoso aos estudantes, já que o conhecimento transmitido era o que o mercado exigia, focando em funcionalidade e lucro. Atualmente, os docentes não têm experiência industrial ou empresarial, em sua maioria. Fruto do mestrado e doutorado, que proporcionam aos alunos, um embasamento teórico excelente. Porém, quando se trata da abordagem de novas tendências, a falta de experiência no mercado de trabalho prejudica.

Um fato muito curioso que ocorre nas salas de aula é que um professor que tem experiência de campo atrai muito mais a atenção dos alunos do que o docente que não a possui. Isso se explica pelo fato de que, muitas vezes, o aluno não consegue visualizar o que o professor está explicando na prática, e na medida em que o docente já vivenciou aquilo em campo consegue-se exemplificar claramente a situação, diferentemente daquele que só estudou.

A internet é um recurso que tomou conta do ensino de Engenharia. Hoje em dia, os alunos não dependem apenas dos professores ou livros para aprenderem. É possível utilizar a rede para adquirir conhecimentos em softwares, por exemplo, se capacitando por conta própria.

Outra mudança significativa é o fato dos alunos precisarem ser plurais e multidisciplinares. Isso quer dizer que não basta ser um aluno que se destaca em matérias de exatas. Hoje em dia, é necessário muito mais, como conhecimentos em língua estrangeira. O mercado exige!

A concorrência é outro fator que se diferencia dos tempos passados. Houve uma segmentação das engenharias, especializando ainda mais o conhecimento de cada profissional. Além disso, muitas instituições passaram a oferecer o curso de engenharia, gerando um mercado de trabalho saturado, onde apenas os alunos que realmente se preparam são aproveitados. Esse fato desmotiva o recém-formado, que migra para outras áreas de atuação.

Blog da Engenharia

Postado em Sem categoria

IV CONPET CIVIL e o seu legado

Estamos em clima de CONPET Civil! E para receber a quinta edição, que acontece neste final de semana em Ouro Preto/MG, nada melhor do que relembrar as experiências do IV Congresso Nacional dos grupos PET de Engenharia Civil. Mais do que isso, compartilhar tudo o que esse querido encontro nos proporcionou, nos fez refletir e crescer. Voltamos muito mais petianos! (ou “pétianos”, como se diz lá no Nordeste)

15032063_1817489821860432_6760207342397979148_n

Foto do IV CONPET CIVIL com apresentação da logo oficial do evento.

O PET Civil UFJF tem um carinho enorme por este evento que nasceu em Juiz de Fora e está ganhando novas proporções. A quarta edição reuniu 14 grupos nos dias 28, 29 e 30 de abril de 2017, em Fortaleza/CE, e teve como tema: “PET Civil: Filosofia, Ação e Legado”. Foram 03 dias de autoconhecimento acerca do nosso papel de transformar o mundo, cheios de motivações vindas das experiências dos outros grupos PET, com petianos e graduandos discutindo seus desafios enquanto futuros profissionais, acompanhados por professores tutores que lutam conosco pela continuidade do Programa de Educação Tutorial. Momentos oportunos para refletir e criar algo novo!

O que queremos deixar como nosso legado?”, “Qual a função social do engenheiro?”, “Como o desafio irá nos potencializar?”. É a nossa formação enquanto petianos lado a lado com a profissão que vamos carregar no peito: engenheiros civis!

O evento fomentou debates durante toda sua programação, contemplada por palestras, mesa redonda, grupos de discussão (GD’s), atividades de integração e apresentação de trabalhos. Atividades de teor mais técnico permitiram maior proximidade com algumas das áreas de atuação na engenharia, ao apresentar uma proposta de desmistificação do concreto protendido, o plano urbanístico de Fortaleza para 2040 e, ainda, a competição de estruturas recíprocas feitas a partir de palitos de picolé.

Foi ainda espaço para apresentação de trabalhos, publicados com número DOI (Digital Object Identifier System) e com ISSN. Na oportunidade, PET Civil UFJF foi representado pelas petianas Cassia e Gabriela com o trabalho “Concurso Mola”, acerca da competição desenvolvida com o Mola Structural Model; e por Bruno e Sarah com o trabalho “Boas práticas para Prevenção de Acidentes na Construção Civil: participação dos trabalhadores e programas de treinamentos”, oriundo do projeto de pesquisa em comum. (Para acessar plataforma com todos os trabalhos do evento, clique aqui)

18119284_1897091763900237_3228742351595179426_n

Programação oficial do IV CONPET CIVIL – Fortaleza/CE.

17760235_1886131898329557_4319840972222543368_n

Apresentação dos temas dos Grupos de Discussão (GD’s).

Mais do que um encontro por área, um encontro de pessoas. Foram 14 grupos PET Civil reunidos pelo amor ao Programa de Educação Tutorial, sejam petianos ativos, petianos egressos, bolsistas ou voluntários. Um evento pequeno, se comparado a SudestePET e ENAPET, mas que, por conta disso, fortalece a proximidade com cada integrante, constrói laços de amizades ao compartilharmos vivências e dificuldades semelhantes.

IMG_5305

Grupo PET Civil UFJF no IV CONPET Civil.

O PET Civil UFJF não irá esquecer das tapiocas do café da manhã, dos sotaques diferentes de cada canto do Brasil, da primeira viagem de avião de alguns integrantes, das altas “resenhas”, da quadrilha, da feirinha, da praia, dos cordéis, da terra do sol. E ficará guardada com muito carinho toda a hospitalidade que recebemos dos petianos do Ceará, nossos anfitriões, que escreveram cartinhas para cada membro do grupo compartilhando muito amor, como esta daqui:



Olá, Gabriela! Tudo bem com você?

Gostaria de começar essa carta dizendo que não é tão fácil escrever algo para alguém que não conhecemos tão bem. As palavras são meio desajustadas, a gente não sabe o que de fato falar. No entanto as coisas começam a se “aprumar” e as ideias se ajustam na cabeça quando eu lembro que, embora você seja totalmente diferente e desconhecido por mim, nós temos algo em comum: estaremos, nos próximos dias, desfrutando da programação do IV CONPET Civil.

Que felicidade “medonha” estar te recebendo aqui em Fortaleza para o CONPET. Eu, em nome de toda a organização do evento, quero te dar as boas-vindas a Fortaleza e te desejar que o congresso supere todas as suas expectativas. Foram mais de 260 dias de muito trabalho duro para que você pudesse desfrutar de um evento sensacional. Todos nós da organização estamos à sua disposição para dar todo e qualquer suporte a você durante sua permanência aqui na cidade, pode contar com todos nós, inclusive comigo!

A programação foi toda pensada para que discutíssemos profundamente a filosofia, ação e legado do PET, mas sem deixar de lado os campos de conhecimento/trabalho da engenharia civil. Independentemente de qual seja a sua maior aptidão na engenharia, com certeza o evento será de enorme valor tanto para a engenheira civil Gabriela quanto para a petiana Gabriela.

Estou no PET desde julho de 2014 e, durante esses quase 3 anos de grupo, eu tenho me apaixonado cada vez mais pelo programa. Não sei muito bem qual o contexto do seu PET, mas aqui em Fortaleza, ser petiano é ter um diferencial no meio de um mar de gente, é ter mil coisas pra fazer na semana de provas, é abrir mão das férias, do sono e, algumas vezes, da própria opinião. Ser petiano é correr pra chegar na hora, é viver cheio de reuniões, é comer apressado é, muitas vezes, nem comer. Ser petiano é viver rodeado de gente, é ter muitos amigos por perto (pelo menos 12), é ter altas resenhas. Ser petiano é carregar no peito a missão de fazer a diferença, de transformar a vida de algumas pessoas e levar engenharia para quem ainda não sabe bem o que quer da vida. Ser petiano é ser profissional de valor, é carregar valores no peito, valores que podemos revolucionar a nossa história e a história da nossa sociedade. Ser petiano é estar em plena construção, em constantes reparos, retoques que farão de nós pessoas excelentes. PETiano estudante de Engenharia Civil não para nunca!! PET Civil não para!

Por fim, te desejo mais uma vez as boas vindas à Fortaleza e espero profundamente que esse evento te ajude nessa formação de profissional de valor (com bons valores bem sedimentados), capaz e desejosa de fazer a diferença em seu meio e instigado a, no mínimo, tentar mudar a vida das pessoas por meio da atuação no PET e, mais que isso, por meio da Engenharia.

É isso aí, tenha um bom evento! Seja muito bem-vinda à terra do sol!

Abraçãão!!

Laio Guimarães – PET Civil UFC



É, Laio, o que dizer? Foi TOP!!!

E que venha o V CONPET!!! #ouropretei

 

IMG_5249

Laio (PET Civil UFC) com grupo PET Civil UFJF.

 

18221776_1901251566817590_3924940498906379125_n

Foto oficial com camisa do evento – IV CONPET CIVIL.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O legado de Stephen Hawking

“O maior inimigo do conhecimento não é a ignorância, mas a ilusão do conhecimento.” Talvez nenhuma das grandes frases de Stephen Hawking representam tão bem a vida do cientista, que faleceu na madrugada do dia 14 de março de 2018″

Após cursar física em Oxford e começar a pesquisar sobre cosmologia e teoria geral da relatividade em Cambridge, Hawking foi diagnosticado com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). O britânico não se abateu quando os médicos estimaram que ele teria pouco tempo de vida. Viveu até os 76 e, aos 60 anos, já era considerado um dos grandes gênios dos últimos tempos, como Mozart, Albert Einstein, Rutherford, Nelson Mandela e Dalai Lama.

BBCRadio4_InsideHisHed16-1280x720

Os principais campos de pesquisa de Hawking foram cosmologia teórica e gravidade quântica. Suas teorias, como a de muitos físicos, desafiam a noção de espaço-tempo e levam a uma outra dimensão; não dá para começar a compreendê-las sem abandonar as concepções mais fundamentais sobre a realidade que conhecemos.

Em colaboração com o também físico Robert Penrose, Stephen desenvolveu os primeiros teoremas da SINGULARIDADE. A ideia é que existem lugares no universo em que as variáveis da física se tornam infinitas e concentradas em um único ponto, como se toda a densidade, toda a massa existente, ficasse concentrada em um lugar só. Os BURACOS NEGROS são um dos tipos de singularidades que ele tinha vindo a estudar com Penrose, que as leis da Teoria da Relatividade Geral não se aplicam nessas regiões. E, mais importante ainda: uma dessas singularidades é, na verdade, o berço do universo. A partir dessa ideia Stephen Hawking teve um papel crucial na demonstração da Teoria do Big Bang!

“Se você parte da premissa de que o universo está em constante expansão, isso significa que, se voltar para trás, vai chegar à ideia de que o universo inteiro estava concentrado em único ponto. É mais ou menos essa a noção de singularidade.” Cássio Barbosa.

Big-Bang-Singularidade

Baseando-se na Teoria de Singularidade, Stephen Hawking ainda contribuiu com debates e descobertas sobre o universo, como a Radiação de Hawking, mecanismo que ocorre dentro de um buraco negro, envolvendo uma reação entre matéria e antimatéria, e a Inflação Cósmica, teoria quântica que sugere que, antes do Big Bang, o universo não conhecia limites entre o espaço e o tempo.

stephen-hawkinggg

Não tem como negar que Stephen Hawking possuiu uma inteligência rara e uma capacidade de raciocínio fora do normal. Entretanto, ao analisar sua vida, deve-se destacar muito mais que inovações quânticas e descobertas astronômicas. O físico desafiou as probabilidades e deixou ensinamentos que vão além da Ciência, afinal, um verdadeiro gênio sempre nos traz lições da vida em geral. Sua principal mensagem não tem nada a ver com números e sim com a maneira que as pessoas devem encarar a vida. Possuir alguma limitação deve significar automaticamente valorizar o que você está apto a realizar.

“Por mais difícil que a vida possa parecer, sempre existe algo em que você pode ser bem sucedido. O importante é que você nunca desista” Stephen Hawking.

hawking

G1; Observador; Wikipedia.

 

O Uso de Geossintéticos no Encamisamento de Colunas de Fundação em Aterros sobre Solos Moles

Solos moles são comumente renegados no setor de infra-estrutura devido à sua baixa resistência e alta compressibilidade. Nos últimos tempos, tendo em vista o crescimento populacional, não se pode criterizar demasiadamente a escolha da área de uma futura obra, o que é um dos componentes primordiais para a Engenharia Civil: o espaço. Dentre os tratamentos mais utilizados para solucionar tal problema está o uso de geossintéticos no encamisamento colunas granulares (de areia ou brita) sobre o solo a ser tratado.

Pela NBR 7250, constata-se que solo mole é aquele “solo predominantemente argiloso, com o valor do N-SPT entre 3 e 5”. (Ver mais sobre esse ensaio em: Sondagem de solos: ensaio a percussão (SPT)). É um solo sedimentar, geralmente de origem aluvionar, o qual sofre adensamento em quase todos os casos, necessitando de transporte de solo para o aterro – escolhido da jazida com menor distância média de transporte (DMT).

 

Boletim de Sondagem SPT

Exemplo de perfil de sondagem à percussão

Para construir um aterro são necessárias investigações geotécnicas (de campo e de laboratório) e análises de estabilidade e recalque, de acordo com o tipo de aterro a ser feito. Tais obras devem ser executadas seguindo, rigidamente, os critérios de execução. Corre-se o risco de insucessos nas fases de projetos e de execução da obra e, fatalmente, na operação da rodovia, por exemplo.

Vista

Vista de área de solo mole (fundação) que receberá um aterro de rodovia

Construção de aterro

Construção de um aterro: 1- Lançamento do material proveniente de jazida;
2- Acerto do material com trator de esteira; 3- Acerto da superfície a ser compactada; 4- Umedecimento do material (eventual); 5- Compactação final do aterro.

A TÉCNICA DAS COLUNAS ENCAMISADAS COM GEOSSINTÉTICOS

Desenvolvida pelas empresas alemãs Möbius e Huesker Synthetic, em 1994, a técnica tem como ideia principal criar uma alternativa mais eficiente para a contenção de aterros em solos moles. Dentre suas vantagens estão a capacidade de carga, a boa manutenção e a alta durabilidade. A técnica GEC surgiu para solucionar a alta taxa de recalque do aterro e o deslocamento lateral das colunas de material granular.

CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS

– limitam o deslocamento lateral da areia ou da brita;

– servem como filtros e drenos verticais;

– permeáveis, não impedindo o fluxo de águas subterrâneas (vantagem ecológica);

– atendem os padrões e as especificações, garantindo uma alta qualidade de Engenharia;

– transferem as cargas do aterro para o estrato estável.

Para um geossintético ser selecionado para encamisar tais colunas, devem ter as seguintes características:

– alto módulo de elasticidade;

– baixa propensão para deformação;

– alta permeabilidade;

– baixa danificação na instalação;

– alta resistência química e biológica.

Aterro

Sistema completo do aterro com colunas encamisadas

Módulo de elasticidade

Gráfico Tensão Normal x Deformação: Conceito de Módulo de Elasticidade (E)

Abaixo, figuras que mostram o geossintético e a coluna já encamisada:

Geossintetico

Geossintético

Coluna

Coluna encamisada com geossintético

Outras informações sobre essa especialidade da Engenharia Geotécnica também se encontram nesse blog em: Aterros Estruturados.

FONTES: Geotecnia de Fundações – UFJF, Huesker Synthetic, Möbius,   Pavimentação em Terrenos de Solos Moles.

Dia 20 de Novembro, dia da Consciência Negra

É inegável que o preconceito racial existe desde longa data, principalmente no Brasil, país escravocrata. A história do povo africano, sempre envolvida com muita luta e resistência teve seus destaques, foi o caso de Zumbi.

Zumbi era líder do Quilombo dos Palmares, refúgio este que foi considerado o maior na história da escravidão do Brasil. Ele lutava pela liberdade e valorização da cultura de seu povo. Em 20 de Novembro de 1965 ele foi morto, defendendo sua comunidade. Desta maneira, em 2003, foi definido o dia da Consciência Negra, com objetivo de proporcionar reflexão sobre a história e importância da cultura africana, assim como o impacto que deixaram na identidade de cultura brasileira.

zumbi

Figura 1 – Zumbi dos Palmares

O feriado no dia 20 de Novembro é facultativo, ou seja, a cidade opta por paralisar as atividades ou não. Mas, independente da adesão ao feriado, vale sempre relembrar as contribuições da cultura africana em nosso dia a dia. Dentre essas pode-se citar:

  • Capoeira: Arte Marcial Afro-brasileira;
  • Culinária: Feijoada, Vatapá e Acarajé;
  • Instrumentos: Afoxé, Berimbau e Agogô;
  • Religiões: Candomblé e Umbanda

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

No que diz respeito aos negros na engenharia tem-se Enedina Alves Marques, como a primeira mulher negra a se formar em engenharia, estado do Paraná. Já o primeiro homem negro a se tornar engenheiro foi André Rebouças, no Rio de Janeiro. Atualmente a porcentagem de negros em universidades é de 12,8%.

WhatsApp Image 2017-11-23 at 13.58.33

Campanha da UFJF no dia da Consciência Negra

 

É preciso uma pausa para reflexão sobre as condições do negro na sociedade, reflexos do período da escravidão, saber entende-las e respeitá-las. No dia da consciência negra e em todos os outros dias é preciso saber que somos todos iguais!

“Empatia: Que tomemos consciência da importância da força dos negros na formação da sociedade em que vivemos, e que essa consciência incentive o respeito, a empatia e a igualdade.”

Postado em Sem categoria

Séries de TV que todo engenheiro deveria assistir

Sabe-se que a rotina de engenheiros e estudantes de engenharia não é nada tranquila. Está cada vez mais difícil encontrar tempo disponível para atividades de lazer. Entretanto, é importante ter consciência da necessidade de dar uma pausa no trabalho e estudos de vez em quando, para relaxar e abrir a mente. Uma boa pedida para os fins de semana é assistir uma série de TV que entretenha e descanse a mente dos telespectadores.

A populariadade das séries de televisão cresce a cada ano com a ascensão da TV a cabo e de provedores via streaming, como a Netflix, HBO Go e Netseries. E muitas pessoas já possuem suas séries favoritas como meios de inspiração profissional, assistindo situações empolgantes ou espelhando-se em personagens emblemáticos. Atualmente, todo mundo tem aquele amigo profissional ou estudante de Direito que é alucinado com a série “Suits” ou aquele familiar com vocacão para Medicina que não perde um episódio da série “Grey’s Anatomy”.

Portanto, chegou a hora de sugerir algumas séries que possam agregar de alguma forma a vida do engenheiro civil ou estimular o estudante a encarar a difícil caminhada que é o curso de engenharia.

No topo da lista, encontra-se a série Extreme Engineering (Megaconstruções), que retrata em 6 temporadas alguns desafios enfrentados pela construção civil, mostrando a evolução do homem, que ao longo dos anos adquiriu a necessidade de construir cada vez com técnicas mais elaboradas. Imagine levantar do zero, em apenas sete anos, um dos aeroportos com maior demanda do mundo. Esse foi o desafio dos engenheiros responsáveis pelo novo aeroporto internacional de Hong Kong, o Chep Lap Kok, que foi retratado em um dos episódios da série. Além disso, o programa da Discovery Channel trata de temas como o novo canal do Panamá e a ponte de Gibraltar (estreito que liga o Mar Mediterrâneo, Oceano Atlântico, oeste europeu e o norte da África).

51Q7oxwrNqL

Outra série a ser citada é o grande clássico do Discovery Channel, MythBusters. Dois especialistas em efeitos especiais comprovam a veracidade de mitos da sociedade. Eles testam e provam se os mitos são verdade ou mentira. É uma série que literalmente desafia as leis da física. Os apresentadores do programa usam elementos do método científico para testar a validade de rumores, cenas de filmes, provérbios, vídeos da internet e histórias novas e antigas.

mythbusters

Por último, mas não menos importante, Prison Break é uma série para os engenheiros e futuros engenheiros que não são muito fãs de séries de documentários, preferindo uma boa e intrigante trama. O personagem Michael Scofield une o seu alto QI com o curso de Engenharia Civil para conseguir fugir de várias prisões americanas e internacionais, além de improvisar diversas armas. O que ele faz é checar algumas plantas de prédios, bem como as suas estruturas de aço, misturar algumas substâncias químicas e pronto, lá estava ele escapando novamente de mais uma prisão! [ALERTA DE SPOILER] Na primeira temporada, o engenheiro tem o grande desafio de fugir de uma prisão que ele próprio projetou e uma de suas estratégias e tatuar o projeto da prisão em todo seu corpo. A série da FOX atingiu grande sucesso e pode ser assistida pela Netflix ou comprando o boxe com todas as 5 temporadas.

maxresdefault-1

Fonte: Construct; Discovery; Netflix.

 

Sustentabilidade x Construção Civil: os destaques brasileiros

                Não é novidade para nós que a área da construção civil tem fundamental importância quando o assunto é desenvolvimento de um país. Todavia, esse setor é um dos que mais consome recursos naturais e, infelizmente, um dos que mais produzem resíduos também. Sendo assim, ao buscar uma forma de amenizar os impactos gerados por ele, a noção de sustentabilidade nas construções vêm crescendo de forma considerável, atingindo cada vez mais pessoas.

                No Brasil, o conceito tomou tamanha proporção que hoje somos considerados o 4º país, num total de 165, com maior número de construções sustentáveis com certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design). Ao todo, são 1.226 projetos registrados e, dentre eles, 404 já são certificados. Vale ressaltar ainda que a certificação depende do número de pontos adquiridos pela obra, os quais são distribuídos mediante alguns quesitos específicos. Assim, a pontuação varia de 40 a 110 pontos e, dependendo da quantidade acumulada, a construção pode obter os seguintes selos:

  • Selo LEED Silver, para edificações com mais de 50 pontos;
  • Selo LEED Gold, para empreendimentos com pontuação superior a 60;
  • Selo LEED Platinum, para edificações que conquistaram mais de 80 pontos.

                  Vamos conhecer então as seis edificações mais sustentáveis do nosso país:

1. Bairro Jardim das Perdizes: localizado em São Paulo, é considerado o primeiro bairro da América Latina a possuir o Processo Aqua-HQE. Isso significa que a obra é um exemplo de redução do consumo de água, de energia e de matérias primas. Ele conta ainda com um melhor aproveitamento do vento e da iluminação natural para garantir a eficiência energética, além de possuir vagas na garagem para carros híbridos e elétricos. Durante sua construção, evitou-se que mais de mil de caminhões circulassem pela cidade, já que toda a movimentação de terra restringiu-se à área interna do terreno. Vale ressaltar também que a vasta área verde presente no local não só embeleza a paisagem, mas também contribui para a sustentabilidade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

                 Figura 1: Bairro Jardim das Perdizes

                Depois de todo o planejamento e preocupação para elaboração e execução do projeto, ele recebeu o prêmio de vencedor da categoria Sustentabilidade do 20º Prêmio Master Imobiliário.

2. Edifício Eco Berrini: também localizado em São Paulo, o edifício conquistou o selo LEED Platinum e o prêmio de destaque do ano Smacna Brasil 2011. Construído pela Hochtief em parceria com o escritório Aflalo & Gasperini Arquitetos, ele economiza 40% de água e 30% de energia: para isso, suas fachadas são compostas por vidros voltados para leste e oeste, os quais permitem maior iluminação dos ambientes internos; além disso, o controle de vazão de ar condicionado e de ar externo permitem ambientes aconchegantes com menor gasto de energia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Figura 2: Edifício Eco Berrini

3. EcoCommercial Building (ECB): o edifício, além de receber o Leed platina por utilizar mais de 20 conceitos e tecnologias ecoeficientes, recebeu também o prêmio “Melhores Práticas Globais em Construção Verde” no Fórum Global sobre Assentamentos Humanos (GFHS – Global Forum Human Settlements). Isso se deve ao conjunto de características que promovem um ambiente sustentável, dentre as quais podemos citar: presença de painéis de energia solar, isolamento térmico em tetos e ventilação natural em todos os espaços; houve reciclagem de 97% dos resíduos na construção e as árvores nativas foram conservadas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Figura 3: EcoCommercial Building (ECB)

4. Edifício Eurobusiness: localizado em Curitiba, vários aspectos presentes no edifício fizeram com que ele fosse o primeiro empreendimento do sul do país a obter o selo LEED Platinum. Dentre estes aspectos, temos: redução de 50% no consumo de energia e 80% no de água comparado com um edifício convencional; utilização de elevadores inteligentes, os quais devolvem a energia gerada pelo equipamento para a rede elétrica local; presença de ar-condicionado que utiliza o calor residual do arrefecimento para aquecer água ou fornecer calor a outras divisões.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Figura 4: Edifício Eurobusiness

5. Estádio Mineirão: apesar de muita gente já conhecer, poucas sabem que essa obra possui o selo LEED Platinum. Um de seus destaques é a área de iluminação: além de consumir 30% menos do que em outros estádios, uma usina fotovoltaica foi instalada na cobertura do estádio, a qual é capaz de captar energia solar e transformá-la em energia elétrica (o volume gerado equivale ao consumo médio de 1,2 mil casas!). Além disso, o estádio conta com reservatórios com capacidade de armazenamento de 5 milhões de litros de água das chuvas, o que gera uma redução de até 70% no seu consumo de água.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Figura 5: Estádio Mineirão

6. Centro Integrado Fleury Ponte Estaiada: o local está instalado no edifício Tower Bridge, em São Paulo, o qual possui selo LEED Platinum devido às tecnologias presentes que garantem redução no consumo de energia e de água. O projeto, que também dispõe do selo LEED Platinum, tem foco na iluminação: como a necessidade do uso de lâmpadas é constante, apostou-se na aplicação de lâmpadas de LED. Além disso, outras características revelam o caráter sustentável do ambiente: 100% dos equipamentos de ar condicionado e ventilação possuem alta eficiência energética e medidas adotadas no uso de água potável contribuíram para redução de cerca de 40% do consumo total.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Figura 6: Centro Integrado Fleury Ponte Estaiada

              A partir dessa breve análise das construções, percebemos que o Brasil está avançando na área de sustentabilidade, mas que muito ainda pode ser feito. Assim, devemos sempre buscar novas tecnologias e recursos para que o ramo da construção civil não seja mais reconhecida como “inimigo” do meio ambiente, mas sim exemplo a ser seguido.

Como elaborar Laudos Técnicos de Inspeções Prediais

Após a ocorrência de inúmeros acidentes em edificações, seja por falta de manutenção, obras sem acompanhamento técnico e/ou ausências de vistorias periódicas, várias cidades já apresentam em suas legislações a obrigatoriedade de realizar, de tempos em tempos, uma Inspeção Predial denominada Laudo Técnico, a ser elaborado por um profissional capacitado.

 

renato. 01

Figura 01: Desabamento de dois edifícios no centro da cidade do Rio de Janeiro. De acordo com a polícia que investigou o caso, o que provocou o desabamento foi uma reforma mal executada.

renato 02

Figura 02: Acidente no Edifício Senador Derla Cardoso na cidade de São Bernardo do Campo – De acordo com laudo técnico, o acidente foi provocado por falha na impermeabilização da cobertura.

 

A elaboração de um laudo técnico exige do profissional muita propriedade no que ele observa, analisa e descreve. A observação deve ser crítica e sucinta para que não passe despercebido algum ponto de relevância. Para respaldar as análises, muitas vezes se faz necessário o emprego de ensaios tecnológicos, algo que o perito deve orientar e interpretar.

Além disso, soluções para os problemas encontrados necessitam serem relatadas considerando a segurança das construções e dos usuários, a qualidade dos procedimentos, o emprego de materiais adequados e a economia para o cliente, indicando o melhor custo benefício para o mesmo. Visto a responsabilidade deste profissional, é de suma importância que eles estejam sempre atualizados com as técnicas aplicadas, materiais e equipamentos utilizados no mercado, e com as normas e leis que regulamentam este trabalho.

 

renato 03.jpg

Figura 03: Modelo de Laudo Estrutural – DISA Engenharia & Consultoria.

 

A NBR 13752 – Perícias de Engenharia na Construção Civil é o documento que regulamenta as inspeções nas edificações. O objetivo da norma é orientar ao perito quais são as diretrizes, conceitos, critérios e procedimentos para a elaboração do parecer técnico. Neste sentido, o profissional que elabora o laudo tem por obrigação transcrever um relatório claro e objetivo, a partir dos pontos observados e de sua finalidade proposta.

 

Componentes para a elaboração de um Laudo Técnico:

INTRODUÇÃO

– Descrição da construção indicando suas características construtivas, idade, endereço, grau de agressividade do local onde ele se encontra, além de informações relevantes identificadas pelo perito;

– Classificação do objeto da inspeção;

– Croqui de situação.

– Data

DESENVOLVIMENTO

– Determinação e descrição dos eventuais danos, sinistros, anomalias, pontos relevantes, classificação de grau de risco, urgência de reparo;

– Determinação do padrão construtivo;

– Determinação do estado de conservação geral.

CONCLUSÃO

– Resultados de análises;

– Recomendações;

– Relação de documentos consultados;

– Medidas preventivas e corretivas;

– Assinatura do responsável técnico, número de registro, data e local.

ANEXOS

– Fotografias em número adequado demonstrando as condições da construção;

– Cópia da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART);

– Plantas, croquis, e outros documentos relevantes.

 

O profissional que interessa por esta área tem a possibilidade de fazer cursos de perícias e laudos, oferecidos por diversas universidades e escolas de cursos. É importante verificar a instituição e sua idoneidade, ementa do curso e o professor que irá lecionar, antes de iniciar sua especialização.

A remuneração deste profissional varia conforme a região, características da construção como área, dificuldade de acessos, insalubridade, complexidade e a experiência do profissional. De acordo com o Instituto Mineiro de Engenharia Civil a hora técnica custa em média R$220,00, acrescidos os gastos indiretos na elaboração do laudo.

Apesar de já existirem leis e normas que obrigam as inspeções prediais, ainda existe um desafio muito grande de conscientização. Os proprietários de imóveis, síndicos e zeladores precisam ter ciência de que as construções não são eternas, e que cuidados, manutenções e avaliações são tão importantes quanto os cuidados que necessitamos ter com nossa saúde.

 

COM VOCÊS, O ESCRITOR. NOSSO QUERIDO PETIANO RAIZ:

renato 000

Renato Santos,

Engenheiro Civil, especialista em Engenharia Econômica e consultor em Recuperação de Estruturas. Diretor da DISA Engenharia e Consultoria.

 

 

 

Fontes:

CREA-BA – Norma de procedimentos para elaboração de Laudos de Inspeções Prediais

NBR 13752 – Perícias de Engenharia na Construção Civil

Modelo de Laudo Técnico – DISA Soluções de Engenharia e Consultoria

IMEC – O portal do engenheiro

G1 – Queda de prédio no centro do Rio

 

 

 

 

O que esperar de um mestrado acadêmico na Engenharia?

Formamos. “E agora?”

Na colação de grau, quando um parente disse à minha amiga: “Parabéns, você é uma engenheira!”, a resposta foi: “engenheira não, eu sou é desempregada…” [sorrisos amarelos]

Infelizmente, essa é a realidade de grande parte dos jovens brasileiros atualmente. Na falta de alternativas, eles passam a considerar uma opção que até então não parecia atrativa: dar prosseguimento ao que eles sabem fazer – estudar – ingressando em um mestrado acadêmico de 2 anos.

A bolsa não é de todo ruim: R$1.500 para quem tinha perspectiva de R$0, é algo. Em algumas cidades, esse valor cobre razoavelmente o custo de vida, mas não sobra nada no fim do mês, é fato. Por outro lado, se você considerar que vários empregos iniciais estão nessa faixa de salário, R$1500 para investir na sua própria qualificação, com direito a carteirinha de estudante por mais alguns anos, começa a tornar o cenário positivo.

Para concorrer seriamente à bolsa, são 2 os principais quesitos objetivos avaliados por uma banca de seleção: participação em projetos de pesquisa durante a graduação (se tiver publicação, você tem grandes chances de passar na frente) e ter um bom Coeficiente de Rendimento (a média das notas da graduação). Inglês avançado é desejável, e as cartas de recomendação são um quesito subjetivo importante, podendo ser utilizadas em caso de desempate.

Se você tem interesse de seguir nessa área, comece a providenciar estes itens o quanto antes, pois eles levam tempo. E a cada ano, com as vagas no mercado cada vez mais limitadas, cresce a concorrência para o mestrado.

Então, de posse do seu Currículo Lattes, que você floreou o quanto deu, você se inscreveu, passou, parabéns!

Assim, no início você cai no que eu chamo de graduação parte II – sala de aula, disciplinas, provas, tudo aquilo que já tivemos o suficiente. Mas as expectativas são altas: você espera avaliação de casos reais, projetos, desafios empresariais. E aí entra a frustração: quase todas as disciplinas são teóricas. Em geral, o que se vê é um aprofundamento dos conceitos vistos na graduação.

Fato #1: mestrado acadêmico não é uma qualificação direta para o mercado.

Esses conceitos são então aplicados em projetos de pesquisa, desenvolvendo aspectos bem especializados de problemas de engenharia. Em uma analogia com a engenharia civil: você não vai dimensionar uma viga – você vai desenvolver um processo para calcular essa viga melhor do que as ferramentas atuais (ex. mais rápido, mais realista, mais otimizado…).

Para isso, são necessários meses de estudo dos processos atualmente utilizados, das propriedades da viga, do comportamento mecânico do modelo adotado, o desenvolvimento de um algoritmo de cálculo compatível com os métodos atualmente utilizados, o teste da sua ferramenta, a correção de erros e então… ufa – está pronto o seu projeto.

Fato #2: o mestrado te ensina a gerenciar projetos e solucionar problemas como ninguém (individualmente).

A sua bolsa – logo, o seu tempo de realização do projeto – é limitada. Você tem 24 meses para entender praticamente tudo sobre um assunto, desenvolver as diversas etapas do projeto, corrigir erros, começar de novo, elaborar uma dissertação e apresentá-la para profissionais que entendem tanto ou mais do que você sobre o seu trabalho, e que vão julgá-lo rigorosamente.

No fim dessa etapa, [espera-se] você tem amplo domínio de uma área relevante da engenharia, conhece seu ritmo de trabalho e estudo, foi capaz de planejar as etapas de seu projeto e realizá-lo dentro do prazo, e finalmente, passou pelo crivo de profissionais qualificados.

 

Fato #3: fazer o mestrado acadêmico não quer dizer que você necessariamente deva seguir pela área acadêmica.

Após o mestrado, você será um profissional mais maduro e consciente de suas próprias habilidades, bem como das ferramentas disponíveis na resolução de problemas. Essa é uma das razões pelas quais as empresas brasileiras estão gradualmente passando a valorizar profissionais com mestrado (porque as estrangeiras já o fazem há décadas). Embora o doutorado na área de tecnologia seja outra história por enquanto…

Na área acadêmica, eu gosto de pensar que nós resolvemos os problemas do mundo: otimização de recursos, reuso de rejeitos, desenvolvimento de novas tecnologias, melhor compreensão de mecanismos… enquanto boa parte do setor privado está ocupadíssima em causar estes problemas.

Após trabalhar em empresas privadas, na qual meu suor não era valorizado e certamente não se convertia em ganho financeiro [para mim], eu optei pela carreira acadêmica. Deixei de lado uma proposta de emprego e os processos seletivos para trainee e me preparei para encarar sala de aula, muita leitura e baterias de ensaios experimentais.

Antes de tomar essa decisão, me informei bem sobre o assunto com professores de confiança, e já sabia o que me esperava: mais 6 anos de estudo ganhando bolsas, aprender e dar aulas até o fim da vida, salários inferiores ao de colegas no mercado, todos os entraves do serviço público… não ter chefes no seu cangote, pesquisar dentro dos temas que você gosta, mudar de área quando bem entender, desenvolver tecnologias para seu país e, por fim, [contribuir para] salvar o mundo.

 

formando

 

Espero que esse artigo ajude na sua decisão também. É muito triste ver colegas que estão no mestrado porque “não tinham outra opção”, ou chegam aqui esperando aprender ferramentas de mercado e dão de cara com equações, algoritmos e provas. Mas por experiência própria: isso passa logo, e a realização de ver o seu projeto tomando forma não-tem-igual.

Com planejamento e metas, é possível realizar um projeto de qualidade, fazer contatos, e ser valorizado tanto pelo mercado quanto pelo meio acadêmico. Essa é a carreira que eu decidi seguir. Reflita bem se esse é o seu perfil e, se estiver preparado, bem-vindo ao clube!

 

COM VOCÊS, A ESCRITORA. NOSSA QUERIDA PETIANA RAIZ:

JCM600 (1)

Júlia Castro Mendes,

Pesquisadora, professora e doutoranda em Engenharia Civil.

Na jornada para salvar o mundo, gosto de escrever sobre desenvolvimento pessoal para jovens profissionais.

Esse post foi originalmente publicado no meu LinkedIn.

O Maior Túnel do Brasil

Túnel Prefeito Marcello Alencar

Maior Túnel Subterrâneo do Brasil

Após 3 anos e 8 meses de obras, foi inaugurado, em 19 de junho de 2016, o maior túnel urbano subterrâneo do Brasil: o Túnel Prefeito Marcello Alencar. Com uma extensão de 3382 metros, o túnel atravessa os bairros Centro, Gamboa e Saúde, na Zona Central da cidade do Rio de Janeiro. Possui duas galerias destinadas ao tráfego de veículos, a galeria Continente, no sentido Zona Sul, e a galeria Mar, no sentido Caju, que possuem três vias e ligam a Ponte Rio-Niterói e a Avenida Brasil com o Aterro do Flamengo. Tal nome é uma homenagem ao ex-prefeito da cidade e ex-governador do estado Marcello Alencar, responsável por ações marcantes em seus mandatos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O plano inicial seria demolir parcialmente o Elevado da Perimetral, substituindo-o por um mergulhão. Entretanto, o então Prefeito Eduardo Paes anunciou, em novembro de 2011, a sua demolição total e a construção de um túnel que sucederia a Perimetral em conjunto com a Avenida Rodrigues Alves. A partir daí, o Túnel da Via Expressa – como foi chamado a priori – começou a ser escavado em outubro de 2012 para substituir o antigo Elevado, derrubado em 2014, por ter ultrapassado sua capacidade de tráfego, além de interferir no plano de revitalização da Zona Portuária. O túnel foi construído nos arredores do Porto Maravilha e sua principal função é escoar o tráfego entre a Avenida Alfred Agache e a Avenida Rodrigues Alves.

Implosão da Perimetral

Implosão do Elevado da Perimetral

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cada galeria tem capacidade para receber 55 mil veículos por dia. Apenas ônibus executivos municipais e intermunicipais podem trafegar pela via (sem paradas) e é proibida a circulação de caminhões. Com o túnel, diminui-se consideravelmente o volume de circulação nos chamados “horários de rush”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O túnel conta com 16 conjuntos de balizadores indicando a condição do trânsito de cada faixa, 105 câmeras (72 fixas e 33 móveis), 12 PVM’s fixos e sensores de visibilidade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O túnel Prefeito Marcello Alencar é, atualmente, o maior túnel do Brasil, sendo o maior do mundo o de Lærdal, na Noruega, com 24,5 quilômetros de extensão. Isso tudo indica que o Brasil ainda tem muito a crescer na área de Engenharia Geotécnica, mas que já deu um grande passo para as obras de terra.

Fontes: Concessionária Porto NovoG1Porto MaravilhaPrefeitura do Rio de JaneiroYouTube

CoolSeal

O CoolSeal, ou em tradução literal para o Português, ‘selo fresco’, se refere a uma pintura aplicada sobre o asfalto, de cor cinza claro, que busca mitigar os efeitos das ‘ilhas de calor’ que acabam por aumentar a temperatura nas cidades que sofrem com a grande urbanização.

Essa tecnologia se baseia no princípio da reflexão dos raios solares na área infravermelha do espectro da luz, a qual não podemos ver e, com isso, o calor que antes era absorvido pelo asfalto com uma eficiência de quase 90%, esquentando o ar na região próxima, passa a ser refletido pela camada de pintura.

los-angeles-coolseal-cool-seal-20170929-0001 (LA Street Services)

A cidade de Los Angeles, no estado americano da Califórnia, que nos últimos anos vem sofrendo com as altas temperaturas, pode ser considerada a pioneira na aplicação dessa tecnologia. Cercada por um deserto, com quilômetros e mais quilômetros de estradas asfaltadas além da pouca vegetação, a cidade americana vem colocando em prática o projeto piloto, denominado Cool Paviment (ou asfalto fresco), que consiste na aplicação da tinta sobre os asfaltos da cidade.

Com essa medida, o prefeito da cidade, Eric Garcetti pretende reduzir a média de temperatura em dois graus Celsius dentro dos próximos vinte anos. Ainda que em fase de teste, a aplicação do CoolSeal em alguns bairros de Los Angeles proporcionou resultados animadores, com diminuição de até nove graus na temperatura ao redor das áreas em que a camada de pintura foi aplicada.

prefeitura de los angeles 2

Estudos com relação ao custo x benefício do material ainda estão sendo realizados. Sabe-se que para cada uma milha (cerca de 1,6 quilômetros) de asfalto revestido com o material tem um custo de US$ 40 mil, com durabilidade de sete anos. Além disso, em entrevista à BBC Mundo, Alan Barreca, professor da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) defende que o CoolSeal se apresenta como uma alternativa para aqueles que não têm condições de manter um ar condicionado em casa, fazendo com que o asfalto fresco se apresente como uma opção que beneficiará a todos, independentemente da fonte de renda.

“Há evidências de que o calor extremo pode ser mortal […]. Se 160 km de pavimento podem evitar a morte de uma única pessoa, vale a pena instalá-lo. E isso se só focarmos em salvar vidas. O calor extremo tem um efeito também nas hospitalizações, na saúde infantil e até na fertilidade[…]. Levando em conta todos esses fatores, acredito que os benefícios do asfalto fresco superam os custos. Mas precisamos esperar para ver se isso é confirmado”, complementa o professor.

Vale a pena ressaltar que a tecnologia aplicada no CoolSeal foi inicialmente desenvolvida por uma empresa americana, com base no estado da Califórnia, especializada em cobertura para asfalto a pedido do Departamento de Defesa dos Estados Unidos. O objetivo era pintar as pistas de decolagem dos aviões buscando reduzir a temperatura das mesmas, para que assim satélites espiões que utilizassem tecnologia infravermelha não conseguissem localizar as bases americanas.

_98069556_31148bd5-c531-4c92-a7f3-379b377e8ce5

No que se refere ao produto aplicado nas ruas de Los Angeles, ele se difere daquele desenvolvido para o Departamento de Defesa americano por sua capacidade de refletir ainda mais os raios solares, ou seja, por sua maior eficiência.

Desde que o projeto desenvolvido na metrópole americana ganhou visibilidade, a empresa responsável pela fabricação do CoolSeal passou a receber questionamentos buscando maior conhecimento a respeito do produto de diversos países, incluindo China, Israel, Austrália e Arábia Saudita.

Fonte: Veja, Washington Post, LA Times, Futurism, Horizonte, BBC

Como se destacar durante a graduação de engenharia

Ao escoher um curso de engenharia, seja Civil, Elétrica, Computacional, Produção ou Ambiental, é criada uma grande expectativa de salários promissores. Entretanto, outro fator que também costuma ser pontuado é o atual mercado de trabalho brasileiro. A crise enfrentada pelo país somada ao grande número de engenheiros recém-formados caracterizam um mercado de trabalho altamente competitivo, o que gera insegurança nos estudantes de engenharia.

long-term-unemployed

Para desfrutar de uma posição favorável no mercado de trabalho, é necessária muita dedicação. As disciplinas são complexas e difíceis, exigindo horas de estudo. Além disso, investir em atividades extracurriculares, falar outros idiomas e ter proatividade são qualificações que pesam no currículo.

O Brasil conta com um número de engenheiros desempregados relativamente alto, e isso deve-se pelo fato de os profissionais não buscarem evolução, e se prepararem de forma inadequada para atender aos requisitos do mercado. Contentar-se apenas com o conhecimento obtido em sala de aula é um caminho perigoso e que pode dificultar a vida profissional de um engenheiro.

Na última semana, ocorreu na Faculdade de Engenharia da UFJF a Semana da Engenharia, realizado pelo Diretório Acadêmico Clorindo Burnier (D.A. Engenharia – UFJF). Um dos eventos promovidos foi uma mesa redonda com representantes e ex-representantes de alguns dos seguimentos da universidade, como o PET Civil UFJF, a Empresa Jr. Mais Consultoria Jr., o NASFE, o Engenheiros Sem Fronteiras e o IEEE. A troca de ideias dos participantes da mesa com os expectadores foi muito proveitosa e o principal tema abordado foi a diferença que os seguimentos fazem na graduação e o potencial que essa diferença gera em um profissional formado.

IMG-20171009-WA0034

Ao procurar um seguimento extracurricular na faculdade, o estudante se dispõe a sair de sua zona de conforto e buscar se redescobrir como pessoa. Assumir a dificuldade de conciliar projetos paralelos com a graduação é o “mal necessário” mais enriquecedor para o futuro engenheiro. Além de aumentar o leque de contatos dentro e fora da universidade, sair da zona de conforto lapida um engenheiro maduro, com liderança, proatividade, que sabe lidar com pessoas e trabalhar em equipe e que consegue se organizar para assumir responsabilidades sem perder a excelência. Esse engenheiro é o profissional que terá destaque no tão temido mercado de trabalho.

Uma prova dessa ideia é a atual dificuldade para estudantes de engenharia encontrarem um bom estágio. Um bom currículo acadêmico e uma coleção de certificados são cartões de visita que podem facilitar esse processo.

Por fim, os profissionais que estiverem em constante atualização do seu currículo acadêmico e acompanhando as tendências de mercado têm, sim, um futuro muito promissor. Descobrir que você é melhor do que você se auto-julga ser é o primeiro passo para atingir o sucesso profissional, basta querer e fazer por merecer.

engenharia-sucesso

Fonte: AdzunaEgenhariaE ;  EngenhariaPT.

Como funciona o trem sem trilhos de metal da China?

Com o principal objetivo de baratear os custos de transporte público para cidades de pequeno e médio porte, já que não necessita da instalação de trilhos que tem um investimento bastante alto, a empresa ferroviária CRRC desenvolveu um “ônibus inteligente”. Capaz de combinar a facilidade econômica do sistema de ônibus, a modularidade dos metrôs, a conveniência e segurança dos veículos que tem autonomia, esse novo trem sem trilhos de metal, além disso tudo, também não precisará de um condutor.

trem sem trilhos

A previsão é de que, em 2018, a cidade chinesa Zhuzhou, na província chinesa de Hunan, já faça uso desse modal público. A empresa responsável por esse projeto, a CRRC, começou a elaboração desse sistema desde 2013 e é, atualmente, a segunda maior empresa industrial do mundo. Ademais, ela controla a fabricação de trens de alta velocidade na China, onde também há a maior rede desse tipo de linha no mundo, com cerca de 14.000 quilômetros.

crrc

O trem sem trilhos ou ART (Trânsito Rápido de Trilhos Autônomos – Autonomous Rail Rapid Transit) é capaz de seguir um caminho previamente definido, através de pontos brancos no asfalto que são captados pelos sensores acoplados no veículo, fazendo com que ele trace sua própria rota e por isso o nome de “trilhos virtuais”. Além disso, o trem identifica o pavimento e tem sensores que transmitem informações da viagem, sem necessidade de um arranjo físico para o guiar.

Resultado de imagem para trem sem trilhos china

Ele tem 30 metros e é composto por três carros que podem transportar 300 passageiros por uma faixa de 6,5 quilômetros a uma velocidade máxima de 70 km/h, podendo adicionar, caso necessário, mais carros para permitir o maior transporte de passageiros. O sistema ainda é “eco-friendly” devido a seu funcionamento por eletricidade, através de baterias recarregáveis, e por gerar baixo impacto ambiental, pois não são poluentes. Com dez minutos de carga ele possui autonomia de 25 quilômetros, já com a carga completa é capaz de viajar uma distância de 40 quilômetros.

Por fim, a ART é uma ótima opção para pequenas e médias cidades que não possuem infraestrutura para a implantação de linhas de metrô, já que esse trem sem trilhos é 80% mais barato e ainda tem vida útil de 25 anos.

Trem virtual, China, imagens.

A arte urbana de Kobra

Eduardo Kobra, paulistano de 41 anos de idade, iniciou sua carreira nas ruas da periferia de São Paulo em 1987 como pichador artístico. Ao longo dos anos, à medida que seu talento e viés social eram reconhecidos, passou a ser considerado muralista. Sua arte reflete a cultura de onde está inserida e passa mensagens de respeito e tolerância.

O muralista faz uso de diferentes recursos, dependendo do tipo de obra que pretende criar. O minimalismo geométrico colorido para criar faces e cenas é uma das mais conhecidas e aclamadas pelos fãs; a riqueza dos traços e cuidado na seleção dos elementos são o que tornam o grafite tão especial. Outra modalidade praticada por Kobra é a pintura em 3D, por meio de jogos de luz e sombra, ele consegue criar uma poderosa ilusão de ótica que deixa o público de queixo caído; geralmente executadas no chão, essas pinturas permitem uma interação fantástica.

Em 2011, foi premiado no Sarasota Chalk Festival, o maior festival de arte tridimensional do planeta. Desde essa época em que seu traço começou a ser reconhecido mundo a fora é praticamente impossível você não ter visto nenhuma de suas obras, seja na internet ou nas ruas mesmo. Kobra ganhou reconhecimento nacional e seus trabalhos estão espalhados por todo o Brasil em lugares marcantes e com homenagens e mensagens sensacionais. Aos poucos, seu talento chegou ao ouvido de pessoas do exterior e ele, desde então, faz trabalhos internacionais em países como Inglaterra, França, Itália, Suécia, Polônia e Estados Unidos.

No Brasil, estas são umas de suas obras mais aclamadas, estando nesse hall o painel “Etnias” do boulevard olímpico do Rio 2016 , considerado o maior mural já feito até então. Durante setenta dias de trabalho, foram gastos 1890 litros de tinta branca para regularizar a base e 2800 latas de spray.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Suas obras ao redor do mundo reproduzem momentos históricos, homenageiam figuras públicas e mandam mensagens contra o ódio e a violência. Incorporadas às cidades, são parte viva do turismo e é impossível passar perto de um mural sem se encantar e tirar uma foto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O trabalho de Eduardo continua a crescer, tomando proporções astronômicas e deixando todos boquiabertos e reflexivos sobre a realidade ao redor de todo o mundo.

Fontes:

Eduardo Kobra

Dionisio Arte

Postado em Sem categoria